PUBLICIDADE

Brasil / Política

Ministro do STF retira sigilo e parte do vídeo de reunião ministerial é divulgado

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu¬†hoje¬†(22) retirar o sigilo parcial da grava√ß√£o audiovisual da reuni√£o ministerial realizada no dia¬†22 de abril.¬†Pela decis√£o, somente a parte da reuni√£o que envolveu discuss√Ķes sobre outros pa√≠ses n√£o ser√° divulgada.

O ministro √© relator do¬†inqu√©rito sobre a suposta interfer√™ncia pol√≠tica do presidente Jair Bolsonaro na Pol√≠cia Federal (PF). A reuni√£o foi citada pelo¬†ex-ministro da Justi√ßa e Seguran√ßa P√ļblica Sergio Moro¬†durante depoimento prestado √† PF, no in√≠cio do m√™s, como suposta prova da interfer√™ncia.

Na semana passada, antes da decis√£o do ministro Celso de Mello,¬†o procurador-geral da Rep√ļblica, Augusto Aras, defendeu no STF a divulga√ß√£o somente das falas do presidente¬†relacionadas com a investiga√ß√£o. No parecer, Aras afirmou que a divulga√ß√£o da √≠ntegra da reuni√£o ministerial contraria¬†regras e princ√≠pios constitucionais de investiga√ß√£o

A Advocacia-Geral da Uni√£o (AGU) tamb√©m defendeu divulga√ß√£o de todas as falas do presidente, mas pediu que o sigilo seja mantido no caso de falas de outras autoridades que estavam presentes sobre “na√ß√Ķes amigas‚ÄĚ e coment√°rios ‚Äúpotencialmente sens√≠veis‚ÄĚ do ministro das Rela√ß√Ķes Exteriores e da Autoridade Monet√°ria (Banco Central).

A defesa de Moro também enviou sua manifestação e defendeu a divulgação da reunião na íntegra.

Desde a exonera√ß√£o de Moro, o presidente nega que tenha pedido para o ent√£o ministro interferir em investiga√ß√Ķes da PF.

*Com informa√ß√Ķes da Ag√™ncia Brasil