COLUNASMAIS SAÚDE

Criança não é adulto em miniatura!

O ser humano tem fases bem definidas de evolução. E em cada uma delas, as necessidades são próprias e precisam ser atendidas. Muitos estudos têm demonstrado que isso não ocorre em nível mundial. As crianças precisam de estímulos, alimentação e medicamentos próprios para cada idade. Nem a mais, nem a menos.

Até os seis meses de idade, a criança deve apenas receber o leite materno como fonte nutricional. Porém, pesquisas brasileiras demonstram que mais de 20% das crianças receberam algum tipo de alimento industrializado, com alto grau de processamento, nessa fase. Esses alimentos (biscoitos doses ou salgados, refrigerantes ou mesmo lacticínios) são muito energéticos, mas com pouco benefício nutricional. É indutor de obesidade. Além disso, esse tipo de alimento pode perverter o paladar da criança e dificultar a introdução de alimentos saudáveis, como frutas, legumes e hortaliças.

Outros estudos internacionais mostram que mais de 70% das crianças já recebeu medicação não prescrita por médico ao menos uma vez em sua vida. Quanto maior a idade da criança, mais vezes usou medicamentos inadequados, no Brasil e no mundo. E os medicamentos são a principal causa de intoxicação em crianças, cerca de 40% dos casos.

As crianças precisam ser cuidadas, uma interessante pesquisa mostrou que bebes prematuros de baixo peso reagem melhor à alimentação quando submetidos ao contato pele (método de “mãe canguru”). Mesmo quando alimentadas por fórmulas infantis, pela impossibilidade de amamentação, as crianças ganharam peso de forma satisfatória.

Os pais tendem a resolver a eventual falta de apetite das crianças, assim como sua recusa em relação a alguns medicamentos com medicamentos, totalmente desnecessários. É sabido que a realização das refeições em família diariamente exerce efeito benéfico sobre o estado nutricional e comportamento alimentar de crianças e adolescentes. Os pais precisam comer de forma saudável e com prazer, para que seus filhos o sigam. Não é necessário acrescentar e talvez inadequado acrescentar polivitamínicos.

Como obrigação de pais e governos é o de garantir a vacinação, pois é considerada uma das maiores conquistas da humanidade no controle e erradicação de doenças infectocontagiosas. É dever do Estado e das famílias garantir que elas sejam imunizadas. Nenhuma vacina é isenta da possibilidade de reações adversas, mas isso não pode desestimular os pais a garantir essa segurança.

saiba antes via instagram @revistamaissantos