COLUNASMAIS SAÚDE

Entrevista com o dr. Paulo Maccagnan

Dr. Paulo Maccagnan

Por Alexandre Volpe e Priscilla Freitas

A diabetes Mellitus é uma doença caracterizada pelos níveis elevados de açúcar no sangue (hiperglicemia), atualmente atingi 8,9% da população brasileira, e a cada ano, os números de casos diagnosticados vêm aumentando expressivamente. Para esclarecer algumas dúvidas, entrevistamos o renomado endocrinologista Dr. Paulo Maccagnan, que possui graduação em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo, mestrado em Medicina (Endocrinologia Clínica) pela Universidade Federal de São Paulo e doutorado em Medicina (Endocrinologia Clínica) pela Universidade Federal de São Paulo. É especialista pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, atualmente é professor titular de Endocrinologia da UNIMES (Santos) e membro efetivo da Endocrine Society (USA).

Quais os tipos de diabetes Mellitus e qual o mais prevalente na população?

R.: Diabetes Mellitus pode ser dividido em vários tipos, os mais prevalentes são o tipo 2 (com mais de 90% do total de casos) e o tipo 1 (mais comum em crianças e jovens).

Segundo dados divulgados recentemente pelo Ministério da Saúde, o número de brasileiros com diabetes cresceu 61,8% em 10 anos. Por que tivemos um crescimento tão significativo da doença na população?

R.: O Diabetes do tipo 2 tem crescido muito, pois tem como principal causa o aumento de peso. Quando observamos os últimos 50 anos notamos um aumento progressivo da obesidade e consequente aumento das doenças relacionadas como a Hipertensão Arterial, Doenças do Colesterol e Diabetes Mellitus. Essas doenças, em conjunto aumentam muito o risco de doenças fatais como o Infarto e o Derrame (AVC).

Quais são os métodos para diagnosticar a doença?

R.: O Diabetes é diagnosticado através de exame laboratorial, dosando o nível de açúcar no sangue (glicemia). Um dos critérios aceitos é a glicemia coletada após 8 horas de jejum com valor igual ou acima de 126 mg/dL. O quadro clínico típico do Diabetes mostra um paciente com muita sede, com aumento do volume urinário e apresentando infecções recorrentes. Nos casos mais severos apresenta também emagrecimento e fraqueza.

Quais os avanços no tratamento da doença?

R.: Os avanços no tratamento estão ligados a diferentes drogas que agem de modo complementar e tentam restaurar os mecanismos da doença. A combinação desses medicamentos vai depender do perfil de cada paciente e só o acompanhamento médico poderá adequar tal tratamento. Entre esses medicamentos estão a própria insulina e seus análogos, pois muitos pacientes são dependentes da reposição desse hormônio para alcançar um controle razoável ou mesmo sobreviver.

A diabetes tem cura? Existe prevenção para a doença?

R.: O Diabetes não tem cura, vários estudos tentam reverter a doença, mas ainda sem sucesso. A prevenção, principalmente visando o tipo 2, é essencial para interrompermos esse avanço na prevalência do Diabetes. O ajuste do peso, hábitos saudáveis e atividade física são fundamentais nesse sentido.

Resultados de estudos realizados por endocrinologistas demonstraram que o exercício físico é essencial no tratamento da diabetes. Isso é verdade?

R.: O exercício físico é muito importante tanto na prevenção como no tratamento do Diabetes. O músculo é um grande consumidor da glicose e quando em atividade regular e diária facilita bastante o trabalho da insulina melhorando o controle da glicemia.

Quais as possíveis complicações que a doença pode acarretar quando não se há o controle?

R.: O descontrole da doença, ou seja, a elevação frequente da glicemia acarreta em lesão de órgãos importantes como os rins, o coração, os nervos, os olhos e os vasos sanguíneos. Com isso, a qualidade de vida fica comprometida e a expectativa de vida é reduzida.

Os alimentos “DIET” (Sem Açúcar) podem ser consumidos à vontade pelos diabéticos?

R.: Os alimentos DIET podem e devem ser consumidos pelos diabéticos. Crianças e gestantes devem ter algum cuidado para não exagerar na quantidade desse tipo de alimento, pois há um limite de uso diário para evitar toxicidade.

Recentemente, algumas revistas científicas têm abordado uma melhora expressiva em diabéticos que passaram pela cirurgia bariátrica, o fato se deve a técnica cirúrgica?

R.: A cirurgia bariátrica pode ser uma forma eficaz de tratamento de obesos diabéticos do tipo 2 e as técnicas com bypass intestinal são as mais recomendadas. Porém, as indicações para esses procedimentos exigem bastante cuidado e atenção por parte de equipe multidisciplinar composta geralmente de cirurgião, endocrinologista, anestesista, nutricionista, psicólogo e fisioterapeuta.

Alexandre Volpe e Priscilla Freitas são estudantes de medicina e fundadores da Liga de Medicina Legal da Unimes

Para conferir outros posts da coluna Mais Saúde, clique aqui.

 

Foto: Pixabay

saiba antes via instagram @revistamaissantos