ESPORTES 

Seleção masculina de vôlei venceu os 11 jogos disputados na competição

 

Onze jogos, 11 vitórias, apenas 5 sets perdidos. Com essa campanha de gala, a Seleção Brasileira Masculina de vôlei encerrou, na madrugada desta terça-feira, em Hiroshima, no Japão, sua participação na Copa do Mundo do Japão de 2019, garantindo o tricampeonato da competição – levantou a taça também nas edições de 2003 e 2007.

O título já havia sido garantido na manhã de segunda-feira, com a vitória por 3 a 1 sobre o Japão, com uma rodada de antecedência. Hoje, o triunfo por 3 a 0 sobre Itália (25-20, 25-22, 25-15) encerrou com chave de o ouro a bela participação verde-amarela no último compromisso do ano.

Agora, os jogadores retornam para os seus respectivos clubes, para a fase final dos Estaduais. No Brasil, a Superliga Masculina começa dia 9 de novembro. Do elenco brasileiro, apenas dois atletas atuam fora do país: o levantador Bruninho e o ponteiro Leal, que defendem o italiano Civitanova.

Com a vitória sobre os italianos, os atuais campeões olímpicos repetem a campanha de 2003, quando também conquistaram a Copa do Mundo de maneira invicta. A Itália viajou para o Japão sem cinco titulares, poupados, já que a Copa do Mundo ficou muito próxima do Campeonato Europeu, que é desgastante.

– Foi difícil, foram 11 jogos em 15 dias, enfrentamos grandes seleções, como Polônia, Estados Unidos, além de Japão e Itália. Tentamos manter o foco nessa partida contra os italianos hoje, apesar de já termos conquistado o título na véspera. Agora, sim, é hora de comemorar. Foi um grande torneio para nós – disse o levantador e capitão Bruninho após o jogo.

Com o ouro em Hiroshima, a Seleção Brasileira tornou a única equipe do mundo a conseguir o feito de ser tricampeão nos três principais torneios do vôlei no cenário internacional: Olimpíada, Mundial e Copa do Mundo.

O técnico Renan Dal Zotto poupou os jogadores que foram titulares contra o Japão, na véspera, e escalou o Brasil com o considerado time reserva: Cachopa, Felipe Roque, Maurício Souza, Isac, Maurício Borges, Douglas Souza e Thales. Maique entrou para defender, revezando com Thales.

E o time reserva do Brasil não decepcionou. Jogou com personalidade, Cachopa distribuiu bem e a equipe venceu a Itália com propriedade. O único susto foi no terceiro set, quando os europeus abriram 11 a 6 mas, em uma ótima sequência de Isac – autor de cinco aces na partida -, a Seleção virou o placar e passou como um rolo compressor sobre a jovem equipe italiana.

Isaac foi o maior pontuador do jogo, com 14 pontos – 6 de ataque, 3 de bloqueio e 5 de saque -, seguido por Felipe Roque, com 12.

 

 

 

Fonte: LANCE!

Foto: Divulgação/FIVB

saiba antes via instagram @revistamaissantos