Sem juridiquês 

 

Por João Freitas 

Termo difícil, né? 

Juridiquês é um neologismo em voga no Brasil para designar o uso desnecessário e excessivo do jargão jurídico e de termos técnicos de Direito. 

A tradução piorou!! Concorda? 

Como entender a linguagem dos advogados? 

Recebi uma dúvida de uma internauta, que traduziu perfeitamente o quer dizer O JURIDIQUÊS.  

Era uma noiva que havia passado numa consulta com um advogado, sobre cheque sem fundos, por ela emitido. Ela saiu do escritório mais confusa e preocupada com todo o juridiquês do advogado. Relatou que ficou com vergonha de pedir mais explicações e saiu com mais dúvidas.  

Vejamos a conversa do advogado com ela: 

  • “…, a senhora emitiu o título extrajudicial quando? 
  • Precisamos verificar se a referida cártula está prescrita? 
  • Trata-se de uma ação com procedimento especial! 
  • O título foi devolvido por insuficiência de fundos? 
  • Já foi citada? 
  • Podemos fazer um acordo, desde que as partes concordem e o juiz faça a homologação. 
  • Agora, caso a senhora não pague sofrerá penhora. 
  • A senhora atualizou seu endereço perante este credor? 
  • Por fim, vou compulsar os autos, e aí marcamos seu retorno, ok?”

Citei o caso acima para poder mostrar a diferença entre SEM juridiquês e COM juridiquês, vejamos: 

COM Juridiquês: a senhora emitiu o título extrajudicial quando? 

SEM Juridiquês: Quando a senhora passou o cheque? 

COM Juridiquês: Precisamos verificar se a referida cártula está prescrita? 

SEM Juridiquês: Precisamos verificar se o seu cheque não pode mais ser processado. 

COM Juridiquês: Trata-se de uma ação com procedimento especial 

SEM Juridiquês: Trata-se de uma ação totalmente diferente das outras, ou melhor, é mais rápida. 

 

COM Juridiquês: O título foi devolvido por insuficiência de fundos, alínea 11? 

SEM Juridiquês: O cheque voltou sem fundos? 

COM Juridiquês: Já foi citada? 

SEM Juridiquês: A senhora já recebeu a visita de um Oficial de Justiça ou uma carta do Poder Judiciário para se defender? 

COM Juridiquês: Podemos fazer um acordo, desde que as partes concordem e o juiz faça a homologação.  

SEM Juridiquês: Podemos entrar em contato com a pessoa que a senhora ficou devendo e oferecer um parcelamento. Depois enviamos o acordo assinado por vocês para o juiz “bater o martelo” e tudo fica resolvido. É só pagar!  

COM Juridiquês: Caso a senhora não pague sofrerá penhora. 

SEM Juridiquês: Caso a senhora não pague a dívida, não apresente defesa e não faça qualquer acordo, a pessoa para quem a senhora deve o cheque poderá pedir ao juiz para bloquear qualquer dinheiro que tiver em sua conta corrente, além de buscar imóveis e carros que estiverem em seu nome, além de aplicações financeiras, obedecendo o limite previsto na lei. 

COM Juridiquês: Por fim, vou compulsar os autos, e aí marcamos seu retorno, ok?” 

SEM Juridiquês: Vou olhar o processo e marcamos uma nova reunião, ok? 

Prezada internauta: 

O advogado foi devidamente correto na prestação dos seus serviços e explicou toda a logística das consequências da emissão do cheque sem fundos, sendo assim, sugiro que retorne para uma nova reunião, na qual, o advogado já estará com mais detalhes do seu processo. Acho interessante a senhora retornar e expor a ele que gostaria de mais informações sobre todo o processo, mas de forma simples, SEM JURIDIQUÊS, de forma clara, e de fácil entendimento. Tenho certeza que suas dúvidas serão esclarecidas e terá um excelente atendimento com a solução do seu caso. 

Boa sorte! 

 

saiba antes via instagram @revistamaissantos