COLUNASMAIS SAÚDE

O quanto o otimismo pode influenciar na saúde?

Por Paulo Angelo Lorandi

O otimismo pode ser descrito como a capacidade de uma pessoa em buscar estratégias para gerenciar situações estressantes e buscar as melhores saídas. Estudos mostram que quanto mais otimista a pessoa se apresenta, menor sua condição de estresse. Isso avaliado por fatores emocionais e biológicos. Ser otimista facilita na condição de saúde e de doença. O otimismo pode até melhorar a ação dos medicamentos, ao produzir o efeito placebo.

Esse fenômeno é bastante estudado. Algumas pesquisas apontam que cerca de 30% do resultado do medicamento possa ser fruto desse efeito. Há estudos que mostram que até alguns tipos de cirurgias podem produzir o efeito placebo. Esse resultado é fruto do pensamento de um efeito positivo que o medicamento possa provocar. Ou seja, é bom ser otimista em relação ao resultado do tratamento.

E os indivíduos com transtornos psíquicos são mais suscetíveis, podendo produzir efeito em até 70% dos casos. E o inverso também é válido, ou seja, também é possível para a mente criar o efeito nocebo. A visão pessimista levaria a um menor efeito do medicamento, podendo até produzir a percepção de reações adversas vinculadas ao medicamento.

Aparentemente, o otimismo pode ser aprendido. Estudos mostram que pais que ensinam suas crianças a entenderem seus fracassos analisando as causas externas, tornam seus filhos com uma postura mais positiva. Do mesmo modo, alguns estudiosos sobre o assunto afirmam que as pessoas otimistas tendem a se sair melhor nos ambientes de trabalho.

Um sentimento que corre ao largo do otimismo é a autoestima. Pesquisadores afirmam que há uma correlação positiva entre altos níveis de autoestima e uma orientação otimista para vida. Obviamente, autoestima e otimismo não podem se confundir com o excesso de confiança, ainda que a otimista tenda a ter a confiança na probabilidade de ocorrência de eventos favoráveis, mas, de forma realista, não subestima a incerteza.

O otimismo e a boa autoestima levam ao indivíduo a ter melhor percepção de pertencer a um grupo, seja ele familiar, profissional ou social. Essa condição de pertencimento traz, por sua vez, um reforço para o otimismo e a para a capacidade de resistir aos infortúnios, sejam eles individuais ou coletivos. Com isso, tenha uma visão otimista e confie em sua capacidade, apesar de estarmos vivendo tempos difíceis. Juntos, seremos mais capazes. Manteremos melhor resistência orgânica, psíquica e social.

Foto: Pixabay

Centro de Informações sobre Medicamentos (CIM), do curso de Farmácia da Unisantos, está disponível para solucionar suas dúvidas. O contato pode ser pelo e-mail cim@unisantos.br
Prof. Dr Paulo Angelo Lorandi, farmacêutico pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas-USP (1981), especialista em Homeopatia pelo IHFL (1983) e em Saúde Coletiva pela Unisantos (1997), mestre (1997) e doutor (2002) em Educação (Currículo) pela PUCSP. Professor titular da UniSantos. Sócio proprietário da Farmácia Homeopática Dracena.


Para conferir mais posts da Coluna Mais Saúde, clique aqui.

 

saiba antes via instagram @revistamaissantos