8.0 // COLUNASMAIS SAÚDE

Os perigos das infecções sexualmente transmissíveis

A vida sexual faz parte da natureza humana, mas assim como comer, dormir, descansar, precisa ser feita de forma saudável. A parte de qualquer preconceito, o primeiro aspecto a ser pensado é o de garantir o sexo seguro. Isso significa que em todas as relações, entre qualquer gênero, o uso de preservativo tem de ser garantido, seja no sexo vaginal, anal ou oral. Os líquidos seminais podem conter micro-organismos (bactérias, vírus, leveduras ou protozoários) causadoras das infecções sexualmente transmissíveis (IST).

As IST têm diferentes níveis de gravidade e podem não apresentar sintomas, o que torna mais difícil a percepção do risco. Estudos mostram que as adolescentes são as mais acometidas por IST. Estima-se que entre 13% e 20% das jovens apresentam, ao menos, infecção por Chlamydia trachomatis, que é um indicativo de possível infecção por outra agente patológico. E cerca de 70% das jovens são assintomáticas. Obviamente, maior será o risco da infecção, quanto maior for o número de parceiros e a falta do uso de camisinha.

Além da clamídia, outras infecções podem ser contraídas. O HPV causado pelo papilomavírus é a principal causa de câncer de colo de útero. Atualmente, há vacinação preventiva contra esse vírus, válida para quem ainda não começou a vida sexual, preferencialmente. O vírus pode ser transmitido entre mulheres que fazem sexo com mulheres, pelo contato vaginal, ou em homens que fazem sexo com homens, causando verrugas anais.

Outra IST que é reportado há tempos na história da humanidade é a gonorreia. Há relato dessa doença, no velho testamento, em livros chineses da antiguidade e na Grécia antiga. Infelizmente, sempre foi uma doença comum na sociedade e muito mal tratada, literalmente, ou seja, os medicamentos foram mal utilizados e, nos dias de hoje, a bactéria causadora da doença está cada vez mais resistente aos antibióticos conhecidos.

Mulheres infectadas por Neisseria gonorrhoeae podem causar conjuntivite ao bebe durante o parto que, não tratada a tempo, pode levar à cegueira na criança. A maioria das mulheres infectadas não apresentam sinais e sintomas e os homens podem apresentar ardor e esquentamento ao urinar, podendo haver corrimento ou pus, além de dor nos testículos. As mulheres também podem apresentar dor no baixo ventre, corrimento amarelado ou claro, fora da época da menstruação, dor ou sangramento durante a relação sexual.

E, obviamente, a pior das IST é a por HIV, pois ainda é incurável e pode levar o indivíduo à morte. Ainda que os medicamentos atuais possam trazer aumento na longevidade com qualidade de vida, ela é considera incurável.

Centro de Informações sobre Medicamentos (CIM), do curso de Farmácia da Unisantos, está disponível para solucionar suas dúvidas. O contato pode ser pelo e-mail cim@unisantos.br
Prof. Dr Paulo Angelo Lorandi, farmacêutico pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas-USP (1981), especialista em Homeopatia pelo IHFL (1983) e em Saúde Coletiva pela Unisantos (1997), mestre (1997) e doutor (2002) em Educação (Currículo) pela PUCSP. Professor titular da UniSantos. Sócio proprietário da Farmácia Homeopática Dracena.


Para conferir mais posts da Coluna Mais Saúde, clique aqui.

Foto: Pixabay

saiba antes via instagram @revistamaissantos