COLUNASMAIS SAÚDE

Saúde auditiva

Estima-se que entre 5% dos brasileiros, entre todas as idades, tenham problemas auditivos que exigem de algum tipo de tratamento. A maior parte delas (90%) são adultos e metade dessas pessoas poderiam ter evitado o problema caso fossem aplicadas atitudes preventivas. A surdez pode ser causada durante a gravidez seja devido a processos infecciosos específicos ou ao uso de alguns medicamentos. Algumas infecções ainda podem causar comprometimento auditivo em pessoas adultas.

Cada som produzido repercute dentro do sistema auditivo, movendo células nervosas bastante sensíveis. Seria como as folhas de um jardim movendo-se ao vento. O som alto impediria os movimentos das células nervosas, de forma permanente, do mesmo que um gramado fica prejudicado depois de pisado intensamente. A perda de audição pode ser imediata, em um som extremo, mas o som alto irá fazer com que as células nervosas se tornem cada vez mais rígidas, perdendo a sensibilidade ao som, gerando a surdez.

O problema é que a sociedade está cada vez mais barulhenta. A fonte do barulho pode ser o carnaval, os fogos de artifício, o trânsito, o fone de ouvido, etc. Qualquer barulho com volume de som acima do produzido por uma moto barulhenta já passa a ser danoso ao sistema auditivo. E dentre as várias as causas de surdez, o barulho pode ser evitado.

O som é medido em decibéis. Os sons são seguros ao seu ouvido quando estão abaixo de 85 dB, como uma rua movimentada, por exemplo. O tempo estimado máximo que você pode ficar nesse ambiente sem proteção é de cerca de oito horas. Mas um aumento de cinco decibéis (um caminhão por exemplo) irá reduzir o tempo de exposição máxima pela metade, ou seja, quatro horas consecutivas já será suficiente para causar dano.

Os fones de ouvido devem ser usados em até 60% da capacidade máxima e não mais do que uma hora seguida. Crianças presentes em eventos barulhentos, devem usar protetor auricular, assim como todo profissional exposto a sons altos no ambiente de trabalho. No caso das crianças, é preciso ficar atento a alguns sinais como não acordar quando algum som alto tenha sido produzido dormindo, como uma porta batendo.

Há casos em que a perda de audição é evolutiva, diminuindo a capacidade de ouvir os tons de som de forma gradativa. Assim, procure o diagnóstico médico o mais rápido possível, tão logo as pessoas ao seu redor começarem a notar a perda de capacidade auditiva. Os aparelhos auditivos compatíveis para cada situação trazem melhor qualidade de vida.

saiba antes via instagram @revistamaissantos