COLUNASESPORTES 

Chegou ao final a temporada 2016 do futebol brasileiro. Infelizmente esse ano será marcado por toda a história pela tragédia da queda do avião que transportava o elenco e dirigentes da Associação Chapecoense de Futebol, além de alguns jornalistas, rumo a primeira partida da final da Copa Sulamericana. O fim inesperado dos sonhos daqueles jovens jogadores é algo difícil de digerir. A triste verdade é que coisas ruins também acontecem para pessoas boas. Infelizmente, isso faz parte da dura realidade que a vida nos impõe…

O triste momento para o mundo do esporte rendeu homenagens pelos quatro cantos do planeta. A atitude do Atlético Nacional da Colômbia e seus torcedores foi incrível e emocionante. Tanto respeito pelos mortos e suas família transcende as quatro linhas do gramado e as questões geográficas que separam dois países. Aquele tipo de demonstração de amor e carinho ao próximo me faz acreditar que o mundo pode ser melhor. As pessoas em Chapecó dando força umas para as outras foi outro momento comovente. Um município de pouco mais de 200 mil habitantes, que perdeu seus heróis, demonstrando uma lição de união e garra no pior momento de sua história. As torcidas organizadas dos grandes clubes de São Paulo juntas em uma só voz também merece destaque.  Acertada também a decisão da Conmebol de dar o título da Copa Sulamericana de 2016 para a Chape. Mas diante de tanta tristeza, disputas e taças ficam em segundo plano.

A melhor forma de homenagearmos todas as pessoas que estavam naquele fatídico voo da Lamia e também seus familiares que seguem sofrendo muito é viver intensamente cada segundo da vida, agradecer pela oportunidade de poder compartilhar momentos especiais com quem amamos, espalhar o bem e dar o melhor de si sempre. Afinal, a lição que devemos tirar de tudo isso já havia sido cantada por Chorão, ex-vocalista do Charlie Bronw Júnior.  ‘Vamos viver nossos sonhos, temos tão pouco tempo’.

A tragédia acabou por ofuscar as conquistas do Palmeiras no Brasileirão e do Grêmio na Copa do Brasil. Também interrompeu a festa do torcedor brasileiro pelo milagre feito por Tite restaurando o futebol da seleção e praticamente colocando o time canarinho na Copa do Mundo da Rússia de 2018. O inédito ouro Olímpico, a maior conquista do futebol nacional no ano, também não tem o brilho necessário para clarear o triste final de 2016.

A verdade é que o futebol nesse encerramento de ano ficou totalmente sem graça. Os torcedores perderam aquela vontade de acompanhar o noticiário esportivo. Já está na hora de virar mais uma página da história. Que venha 2017! Mas é bom deixar claro que, mesmo com um novo ano, jamais esqueceremos do estrategista Caio Júnior, das defesas milagrosas do goleiro Danilo, dos passes no meio de campo do Cléber Santana ou ainda dos gols de Kempes e do Bruno Rangel. Jamais esqueceremos desse elenco que lutou com todas as forças pelos seus sonhos, interrompidos pelo destino. Obrigado por nos fazer lembrar que devemos viver cada dia como se fosse o último! Somos Todos Chape! Para sempre!

03-descricao-pedro-sbravatti-colunista-revista-mais-santos

saiba antes via instagram @revistamaissantos