3.5 // DANÇACULTURA

Grupos artísticos participam de homenagens no dia da mulher

Nesta quinta-feira (8) de Março será celebrado pelos Grupos Artísticos de Cubatão com música e dança com a participação do Coral Zanzalá, Cia de Dança de Cubatão e Coral Raízes da Serra, que são Corpos Estáveis da Secretaria Municipal de Cultura.

Nesta quinta-feira, às 14h30, as maduras vozes do Raízes da Serra leva um repertório recheado de Música Popular Brasileira ao Centro de Convivência do Casqueiro, o CRI (Av. das Américas, 521). Na sexta, dia 9/3, o espetáculo será às 15h, no Centro de Convivência Central (Av. Doutor Fernando Costa, 181). O Coral estará sob regência da maestrina Sandra Diogo Moço.

Também no dia 8, a partir das 19h, o Coral Zanzalá e Cia de Dança se apresentam na Sessão Solene do Dia da Mulher na Câmara de Cubatão (Praça dos Emancipadores, s/nº). Em conjunto, apresentam “My Heart Will Go On”, de Celine Dion, que é uma prévia de um espetáculo que está sendo preparado pelos grupos com previsão de estréia ainda este ano. O Zanzalá também cantará “Maria de Vila Matilde”, lindamente interpretada por Elza Soares, que retrata o tema da violência contra a mulher.

“É muito importante ocuparmos o espaço social para falarmos sobre igualdade, combate à violência, entre outros assuntos, por meio da nossa arte”, afirmou Nailse Machado, regente titular do Zanzalá.

Mão de obra feminina nos Grupos Artísticos da cidade – A mão de obra feminina compõe hoje pelo menos um terço dos Corpos Estáveis de Cubatão. São musicistas, bailarinas, coordenadoras e pessoal da equipe técnica que laboram sua Arte e demonstram uma postura diferenciada, com projetos sensíveis, como o Coral Raízes da Serra, que tem como regente Sandra Diogo Moço. O trabalho, voltado para a Terceira Idade, conta atualmente com 35 participantes, sendo que 90% são mulheres. À frente do Grupo há mais de 25 anos, Sandra considera bastante prazeroso comandar a equipe: “Basta gostar do que se faz e valorizar tudo, sempre”, afirma. Para a maestrina, o dia 8 de Março tem sentido ainda mais especial, pois além do Dia Internacional da Mulher é a data do seu aniversário.

Nailse, regente do Zanzalá, é mais uma mulher no comando que crê na imensa capacidade feminina de doação e de exercer a solidariedade. “Entendemos os problemas que não são comuns aos homens, quando, por exemplo, o filho de alguma cantora está doente ou temos nossa cólica mensal. Mesmo com jornada dupla ou tripla, nos desdobramos para fazer o nosso melhor”. Ao lado de Maria Fernanda Tavares, regente-assistente, conduz o Coral Municipal e induz suas 25 cantoras – de mais um total de 50 artistas – a darem sopro de vida às canções interpretadas por conta do incentivo ao talento natural dos participantes.

Outro exemplo de persistência é Alessandra Palucci, coordenadora do Corpo Coreográfico da Banda Marcial. Já foi integrante da Linha de Frente da Banda Musical e muito tempo depois está colaborando na construção de uma equipe homogênea e bastante prolífica, todas adolescentes e jovens. Uma liderança feminina se resume em comprometimento, disciplina e sensibilidade.

A Cia de Dança de Cubatão também tem mulheres que se inclinam ao ofício da arte. A diretora artística Vanessa Toledo lidera com clareza o grupo formado por 19 pessoas, a maioria mulheres (10). Para ela, a sensibilidade feminina colabora para o envolvimento da equipe. Destaca que por muito tempo, a Arte foi o único canal de expressão da mulher, quando ela ainda não podia votar ou trabalhar fora e que isto está intrínseco à alma feminina.
“A mulher não é dona de sua Arte apenas quando faz isso profissionalmente, mas também quando realiza com tanta dedicação outros papéis, seja como esposa, filha, mãe, amiga: toda mulher tem alma de artista.”

saiba antes via instagram @revistamaissantos