PUBLICIDADE

2.0 - REGIÃO

Governo quer autonomia para gerir doa√ß√Ķes para Amaz√īnia

Por Pedro Rafael Vilela
Repórter da Agência Brasil 

O porta-voz do Pal√°cio do Planalto, Ot√°vio R√™go Barros, afirmou nesta ter√ßa-feira (27) que, caso o governo federal aceite doa√ß√Ķes de organismos internacionais e de outros pa√≠ses, a gest√£o dos recursos e da ajuda material dever√° ser feita pelo pr√≥prio governo brasileiro.

“Quaisquer recursos advindos do exterior, em benef√≠cio do combate de queimadas e desmatamento, s√£o bem-vindos, mas gostaria de refor√ßar que √© essencial, de quem venha a promover essa doa√ß√£o, o entendimento de que a governan√ßa desses recursos, financeiros ou de reposi√ß√£o de materiais e ferramentas, √© do governo brasileiro”, disse R√™go Barros, em entrevista a jornalistas.

Em nota dilvulgada na noite de ontem (26), ¬†o Minist√©rio das Rela√ß√Ķes Exteriores destaca que¬†pa√≠ses ricos descumpriram acordos¬†sobre financiamento para preserva√ß√£o da Floresta Amaz√īnica. O Itamaraty pede mais engajamento dos pa√≠ses nos acordos j√° vigentes.

Em reuni√£o ocorrida nesta segunda-feira, em Biarritz, na Fran√ßa, os l√≠deres dos pa√≠ses do¬†G7 concordaram em liberar US$ 20 milh√Ķes¬†(cerca de R$ 83 milh√Ķes) para ajudar a conter as queimadas na Amaz√īnia, sendo a maior parte do dinheiro para o envio de aeronaves de combate a inc√™ndios florestais. O G7 √© formado por Alemanha, Canad√°, Estados Unidos, Fran√ßa, It√°lia, Jap√£o e Reino Unido.

O presidente Jair Bolsonaro e ministros¬†se reuniram hoje com governadores¬†da Amaz√īnia Legal, que pediram que o Brasil retome a coopera√ß√£o internacional que viabilize mais recursos para a regi√£o. No encontro, no Pal√°cio do Planalto, foram discutidas as a√ß√Ķes de combate √†s queimadas nas √°reas de floresta.

Segundo o governo federal, uma s√©rie de propostas ser√° apresentada ao presidente Bolsonaro na pr√≥xima quinta-feira (29). Elas ser√£o consolidadas pelo ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) levando em considera√ß√£o as sugest√Ķes apresentadas pelos governadores da Amaz√īnia Legal, segundo o porta-voz. As medidas podem incluir quest√Ķes relacionadas √† regulariza√ß√£o fundi√°ria e regulamenta√ß√£o de atividades extrativistas em unidades de conserva√ß√£o e terras ind√≠genas.

A retomada do Fundo Amaz√īnia foi reivindicada pelos governadores. A iniciativa foi paralisada pelos governos da Noruega e da Alemanha, principais doadores, ap√≥s impasse na negocia√ß√£o de mudan√ßas na gest√£o do fundo pretendidas pelo governo brasileiro. O Fundo Amaz√īnia √© o maior projeto de coopera√ß√£o internacional para preserva√ß√£o da √°rea florestal, que abrange al√ß√Ķes em mais de 4,1 milh√Ķes de quil√īmetros quadrados (km¬≤) e disp√Ķe de cerca de R$ 3,4 bilh√Ķes em recursos financeiros. “Isso faz parte do estudo, vamos ver a partir da quinta-feira, como o governo federal brasileiro vai enxergar essa evolu√ß√£o ou n√£o do tema [Fundo Amaz√īnia]”, disse Ot√°vio R√™go Barros.

O porta-voz respondeu a uma declara√ß√£o do governador do Maranh√£o, Fl√°vio Dino, que disse, durante a reuni√£o com o presidente e os demais governadores da Amaz√īnia Legal, que n√£o √© o momento “de rasgar dinheiro”. “O governo n√£o rasga dinheiro e n√£o rasgar√°. N√£o √© uma coisa adequada em um governo que tem a austeridade como princ√≠pio maior”, afirmou R√™go Barros.