REGIÃO 

Isabel Franson

A Câmara de São Vicente recebe, nesta quinta-feira (23), às 18 horas, um grupo de jovens da Frente da Ponte Pra Cá, que apresenta reivindicações da população da Área Continental da cidade.

Nesta assembleia, requerida pelo movimento, o assunto será a estrutura da Ponte dos Barreiros, ligação das áreas continental e insular do município. A abordagem dos jovens parte de um laudo divulgado em 18 de janeiro pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Vicente, informando a necessidade de reforma emergencial na construção.

Ainda de acordo com o documento, o secretário de Trânsito e Transporte de São Vicente, Alexandre Almeida, teria se comprometido a buscar recursos com o Governo do Estado para realização das reformas.

Segundo a Frente da Ponte Pra Cá, a preocupação é com os riscos de condutores, passageiros, ciclistas e pedestres na ponte, que teve o tráfego liberado apesar da estrutura perigosa. O grupo cobra posicionamento da população e celeridade das obras, que comprometem o desenvolvimento da região quanto a urbanização e transporte, principalmente.

“Tudo que foi conquistado até hoje na Área Continental de São Vicente sempre foi através de muita luta. Uma luta que não começou de hoje, que já teve outras gerações, dos nossos pais e avós que estão por lá até hoje. É justamente para reforçar a luta deles que estamos buscando integrar mais jovens à nossa causa, e reivindicar estrutura e melhorias para todos os bairros”, afirma a professora Paula Vitória de Farias Santos,
22 anos, membro da Ponte Pra Cá.

A jovem também atenta para a progressão das obras do veículo leve sobre trilhos (VLT), que tem promessa de seguir pela Ponte dos Barreiros, aprimorando a mobilidade da população no local. “Queremos lembrar que isso foi promessa de campanha, e é dever das autoridades trabalhar para atender os moradores”.

Liderança jovem

A Frente da Ponte Pra Cá foi formada no início do ano, após assembleias e discussões num espaço do bairro Humaitá sobre necessidades estruturais dos bairros continentais de São Vicente.

Segundo a participante Paula Vitória, o retorno da população – entre lideranças tradicionais dos bairros – e representantes juvenis foi imediata, provocando um novo encontro, de maiores proporções, no Quarentenário.

“A população, principalmente jovem, começou a entender que temos de lutar por nossos direitos. O acesso à Área Insular impacta nos nossos estudos, nosso trabalho… Nossa vida em geral, de nossos pais, e tantas outras pessoas. E a gente tem de fazer alguma coisa”.

A jovem explica que o grupo teve acesso ao laudo produzido pelo IPT da cidade, e abriu as informações para discussão. “Eles não podem ter informações dessas, comprovando tamanho desgaste e risco nas condições da Ponte dos Barreiros, por exemplo, e não fazer nada. É um desrespeito ao contribuindo, ao morador”.

Na internet, o grupo propagou vídeos e mensagens convocando a população para participar e estar presente não só da sessão da câmara nesta quinta-feira (23) como de outros encontros do movimento e busca ampliar o engajamento. “Foi muito legal esse retorno imediato. Os vídeos viralizaram. Tem muita gente dizendo que vai comparecer, ou desejando boa sorte e dizendo que nos apoia”.

Resposta

A Prefeitura de São Vicente, por meio da Secretaria de Trânsito e Transportes (Setrans), informa que a Empresa Metropolitana de Transporte Urbano (EMTU) ficou responsável pela contratação de estudo para verificar a atual situação da Ponte dos Barreiros. Este, inclusive, deve apontar o que será necessário para que a passagem receba, futuramente, a segunda fase de implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) na Cidade.

No início do ano, após testes de carga realizados por técnicos e engenheiros do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), foram recomendadas ações preliminares, adotadas de imediato pela Administração. Uma das orientações que tem sido seguida é a proibição da passagem de caminhões com mais de dois eixos sobre a Ponte, mantendo a liberação para ônibus, micro-ônibus e automóveis. Outra recomendação foi a instalação de lombadas na cabeceira da Ponte, de forma que os veículos reduzam a velocidade enquanto estiverem em deslocamento.

Segundo os técnicos, a velocidade mais adequada é de 40 km/h e esta medida contribuirá na diminuição dos impactos sobre a estrutura do equipamento, ajudando na preservação. Com relação à passagem de caminhões, a fiscalização foi intensificada com a presença de agentes de trânsito e por meio de sistema eletrônico. A sinalização foi reforçada e a Administração conta com auxílio da Polícia Militar. Ainda, a Administração tem acompanhado todo o processo de elaboração de estudos para o local.

Sessão:

A Câmara Municipal de São Vicente fica na Rua Jacob Emmerich, 1195, Parque Bitaru

Horário: 18h

saiba antes via instagram @revistamaissantos