PUBLICIDADE

Região / Cotidiano

Em tempos de pandemia, Quarentena Solidária faz a diferença em São Vicente

Campanha de arrecadação de alimentos ajuda pessoas que ficaram sem renda neste momento de isolamento social

A campanha Quarentena Solidária, promovida pela Prefeitura de São Vicente, tem mostrado que a solidariedade se faz presente na Cidade. A doação de alimentos por parte dos vicentinos já ajudou centenas de pessoas que tiveram a renda comprometida devido à pandemia.

“Essa disposição das pessoas em ajudar é louvável”, destaca a presidente do Fundo Social de Solidariedade (FSS), Paula Gouvêa, lembrando que para colaborar na preparação dos kits de alimentos, basta fazer doações em diversos pontos do Município.

Como contribuir – Mercados e farmácias contam com as caixas referentes à Ação, onde são deixados os produtos. Os locais de arrecadação de produtos são: Ao Fiel Barateiro, Supermercado Luanda, Supermercado Pirâmide, Panificadora Marquesa, Supermercado Novo Sucesso, Panificadora Nova Charme, Panificadora Novos Corações, Empório Santa Clara e Drogasil (filial da Rua Frei Gaspar, no Centro).

Aqueles que quiserem doar (pessoas ou empresas) também podem entrar em contato com a Ação por meio do número (13) 99171-5979.

No kit, constam itens como arroz, feijão, macarrão, farinhas de trigo e de mandioca, leite em pó, sardinha em lata, óleo, fubá, café, sal, açúcar e molho de tomate.

Motoristas de aplicativos – Nesta terça-feira (26), o FSS entregou kits para 64 motoristas de aplicativos cadastrados em São Vicente. A categoria também vem sofrendo os impactos com o isolamento social, necessário para o combate à disseminação da Covid-19, doença causada pelo novo Coronavírus.

“Esta cesta vai ajudar muito em casa, porque o movimento caiu bastante. Antes da pandemia, eu transportava até 30 passageiros por dia. Agora, são quatro ou cinco”, disse Vivian Almeida Canais, 39 anos, moradora da Vila São Jorge, acrescentando que os alimentos servirão a ela, à mãe e aos dois filhos, de 9 e 14 anos.

Motorista de aplicativo há dois anos, Fábio Luiz Carneiro, 24, contou que em sua casa, na Vila Margarida, moram nove pessoas (ele, a esposa, três filhos, os pais, o tio e a tia). “Só eu que estou trabalhando no momento. Os demais estão desempregados. Essa ajuda veio em boa hora”.

A mesma situação é vivida por Evaristo Rodrigues, 62 anos, que trabalha desde 2016 com transporte de aplicativo. Residente na Vila Cascatinha, ele mora com a esposa e os sogros. “Tenho que fazer das tripas coração para cumprir meus compromissos. Estou com quatro contas de água e de energia elétrica atrasadas. Mas a vida segue. Agradeço a todos que ajudaram para este kit em um momento tão importante”, desabafou.