PUBLICIDADE

Regi√£o / Cotidiano

Incêndio em Cubatão deixa 30 casas destruídas

Foi debelado pelos bombeiros à 1h40 desta terça-feira (21), o incêndio iniciado por volta de 23 horas desta segunda-feira (20) no final da Rua das Acácias, próximo à Rua dos Cravos, na Vila Esperança. O sinistro atingiu 17 moradias e desabrigou 42 pessoas, entre elas 15 crianças e adolescentes.

Dez fam√≠lias conseguiram abrigo imediato em casa de parentes pr√≥ximos e outras sete passaram a noite no Centro de Capacita√ß√£o Comunit√°ria da Sociedade de S√£o Vicente de Paulo, situado na Rua S√£o Francisco de Assis, 70, Via Esperan√ßa. Elas chegaram por volta de 2h30 e receberam cobertores e colch√Ķes da Secretaria Municipal de Assist√™ncia Social.¬† De manh√£, foi-lhes servido caf√© da manh√£.

Neste mesmo local, assistentes sociais da Prefeitura fazem o cadastramento das famílias. O prefeito Ademário Oliveira que, na madrugada permaneceu na área de incêndio, acompanhando o resgate das famílias e determinando os atendimentos de urgência, esteve no Centro Comunitário, às 10 horas desta terça-feira, conversando com as famílias.

Segundo Adem√°rio, ap√≥s o atendimento emergencial, a maior preocupa√ß√£o, agora, √© fazer um cadastramento detalhado e rigoroso das fam√≠lias. “N√£o queremos que se repita o que houve no passado, quando pessoas inescrupulosas, que n√£o haviam sido v√≠timas, se aproveitaram de situa√ß√£o semelhante e se cadastraram para tamb√©m serem beneficiadas pela Assist√™ncia Social ou em projetos habitacionais futuros”.

Perda total¬†– Das 17 moradias atingidas pelo fogo, 15 foram totalmente destru√≠das. Entre elas, a do casal Stephanie Carolina Rodrigues Marques e Tiago Manoel da Silva. “Eram 23 horas quando fomos acordados pelos gritos da casa vizinha, onde come√ßou o fogo. S√≥ tivemos tempo de pegar os documentos e sair correndo. Perdemos tudo”, disse Stephanie.

Tiago, que trabalha na Usiminas, estava preocupado porque não tem parente na região, em cuja moradia possa se abrigar, mesmo provisoriamente. O casal mora há quatro anos na Vila Esperança.

O Fundo Social de Solidariedade preparou 20¬†kits¬†de alimentos e a distribui√ß√£o de 20 cobertores aos desabrigados, mas conta com o apoio dos mun√≠cipes para doa√ß√Ķes de roupas, colch√Ķes, m√≥veis, alimentos e produtos de higiene pessoal.

A doa√ß√£o pode ser feita pessoalmente no Fundo Social, que fica no Parque Anilinas (Avenida Nove de Abril, s/n¬ļ, Centro, entrada pelo final da Rua Assembleia de Deus) ou pelo¬†Disque Solidariedade¬†– 3362.0842. O Fundo Social poder√° retirar na resid√™ncia, mesmo em outras cidades.

Comdec РA Coordenadoria Municipal da Defesa Civil (Comdec) informou em relatório preliminar que o primeiro comunicado do sinistro ocorreu às 23h25 da segunda-feira, pela Coofrdenadoria Estadual de Defesa Civil. O incêndio, de causas ainda não apuradas, nas proximidades da Unidade Municipal de Ensino (UME) D. Pedro I, foi debelado à 1h40 desta terça-feira, iniciando os bombeiros o trabalho de rescaldo. Devido à falta de iluminação e à precariedade dos acessos, não foi possível naquele horário fazer o levantamento total das moradias destruídas.

Urbanização РEm junho, o prefeito Ademário Oliveira apresentou aos moradores da Vila Esperança o projeto para a urbanização da área, considerado o maior programa do gênero no Estado de São Paulo, pois deverá beneficiar cerca de 35 mil famílias.

Os trabalhos est√£o sendo desenvolvidos dentro do programa federal Minha Casa, Minha Vida, junto com a Caixa Econ√īmica Federal, e dever√£o come√ßar pela constru√ß√£o de 800 unidades habitacionais, com toda a infraestrutura – drenagem, saneamento e pavimenta√ß√£o, al√©m de escolas e postos de sa√ļde. O projeto garante tamb√©m a consolida√ß√£o de 220 resid√™ncias, que dever√£o receber todos os benef√≠cios de infraestrutura.

 

Foto: Nina Barbosa/G1