ONLINE 

Por Marcelo Bragança

Fotos: Isabela Graça

Dr. Roberto Debski é especialista em Homeopatia e Acupuntura pela Associação Médica Brasileira, psicólogo, coach e facilitador em Constelações Familiares Sistêmicas.  Sobre esta última, a Mais Santos conversou com o profissional para que explicasse sobre Constelação Familiar, um método que tem ajudado diversas pessoas.

O que é constelação familiar? Quais são os profissionais que podem exercer esta prática? A constelação familiar é um método ou prática que revela as dinâmicas inconscientes e histórias de nosso sistema familiar, as quais influenciam sem percebermos nossa visão de mundo, crenças, comportamentos, relacionamentos, maneiras de lidarmos com o dinheiro, nossa saúde, e nossos resultados na vida.

As constelações familiares foram desenvolvidas pelo filósofo e terapeuta alemão Bert Hellinger a partir de suas vivências e estudos enquanto missionário que conviveu  por 16 anos com os Zulus na África do Sul, e estudou diversas abordagens e terapias como a Gestalt, Análise Transacional, terapia primal, terapia familiar, PNL, Daseinanalyse e outras.

Alguns defendem que a constelação familiar é uma terapia, outros que não, porém em geral todos concordam e observam que possui um efeito altamente terapêutico ao nos ajudar a transformar as dinâmicas que perpetuam nossas dificuldades.

Há diversas áreas de atuação das constelações. As constelações organizacionais são utilizadas nas empresas, vemos o crescimento das constelações na Pedagogia, com a abordagem da pedagogia sistêmica, no Direito, nas varas de família e na mediação de conflitos e na oficialização de sua prática em diversas instâncias do Judiciário, e na área da saúde entre diversos profissionais, sendo a constelação familiar uma das 29 Práticas Integrativas e Complementares reconhecidas pelo Ministério da Saúde e contempladas na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNIPCs) do SUS.

O cliente que busca a constelação familiar quer olhar para alguma questão de sua vida que não vai bem, seja nos relacionamentos familiares ou amorosos, no seu profissional, na saúde, dificuldades financeiras e outras, que ocorrem devido à maneira disfuncional que lida com a sua vida.

Quando é feita em grupo, o constelado coloca sua questão e o constelador pedirá a ele que escolha algumas pessoas dentre as que estão presentes no grupo, para representarem pessoas e aspectos que fazem parte do seu problema. Através das interações que se darão entre esses representantes, dos sentimentos evocados, das atrações ou repulsões que se mostram, serão desveladas quais dinâmicas até então desconhecidas atuam na causa desses problemas.

Após esse diagnóstico, movimentos em direção à cura do sistema acontecem através de posicionamentos e falas sistêmicas orientadas pelo facilitador, os quais visam o equilíbrio nas relações e o retorno às ordens naturais do sistema.

As constelações também podem ser feitas individualmente, no consultório, no atendimento terapeuta – cliente, com várias possíveis técnicas a serem utilizadas, através do uso de bonecos, figuras, ou âncoras de solo, representando os personagens envolvidos nas dinâmicas familiares ou profissionais e suas relações.
Importante ressaltar que o facilitador não deve ter expectativas ou direcionar possíveis soluções, mas sim estar disponível para o que se mostra no campo sistêmico, que é sempre um movimento fenomenológico, que se mostra na própria experiência.

As constelações, que já existem há cerca de trinta anos, quando feita por profissionais capacitados, são altamente reveladoras e efetivas.

Pesquisas atuais nas áreas da Teoria dos Sistemas, dos campos mórficos e morfogenéticos, estudo das transmissões transgeracionais dos traumas familiares e na área dos estudos das heranças epigenéticas que modelam comportamentos na família tem fornecido substrato científico que embasam e dão credibilidade a sua prática.

Nós herdamos não somente as características genéticas, mas também as histórias e acontecimentos que ocorreram nas nossas famílias de origem, e que influenciaram positiva ou negativamente as vidas de quem nasceram posteriormente, por gerações.

Isso significa que herdamos também as histórias de alguns antepassados e essas identificações com eles fazem com que possamos repetir sem saber seus comportamentos e até mesmo compartilhar destinos semelhantes, como por exemplo avôs, pais e filhos que repetem um padrão de alcoolismo ou de fracasso nas relações afetivas entre os casais.

Como as constelações não são somente sobre as questões familiares, atualmente as chamamos de Constelações Sistêmicas, e podemos constelar questões referentes aos diversos outros sistemas além das famílias, como as empresas, amizades, grupos sociais, relacionamentos afetivos e diversos outros.

PROFISSIONAIS

Há diversos cursos sobre constelações familiares na atualidade, com os mais diversos padrões de qualidade, já que se trata de um assunto novo que ainda não possui regulamentação específica.

Sendo assim, procure informação e referências sobre os cursos de formação e sobre a formação dos profissionais que procura para atendimento.

Como as constelações atuam em áreas tão diversas, embora suas bases venham de conhecimentos específicos, penso ser interessante que os profissionais formados atuassem em áreas afins a suas especialidades e formações.

Por exemplo, um advogado poderia atuar com as constelações na área jurídica, um médico e psicólogo em temas ligados à saúde, professores e pedagogos nas escolas e universidades etc.

Porém cabe àqueles que buscam atendimento e orientação pesquisarem com bom senso sobre a origem e formação dos profissionais que atuam com as constelações.

Quais são as indicações para este tratamento? Diversos temas podem ser constelados a fim de se ampliar a consciência a respeito de suas origens e possíveis soluções.

Por exemplo:

– Temas relacionados a saúde, como doenças repetidas na família, adoecimentos após acontecimentos em alguma geração passada ou atual, vícios e adicções, saúde frágil, doenças graves, lembrando sempre que as constelações de saúde são um método complementar que devem ser realizadas em conjunto aos tratamentos e orientações do  médico assistente.

– Relacionamentos afetivos, com a família de origem ou com a família atual, pais e filhos, problemas com avós, irmãos, questões de pessoas que foram excluídas da família, como abortos não reconhecidos, mortes prematuras, filhos parentais, que querem cuidar dos pais em detrimento da própria vida, ou permanecem dependentes dos pais até a idade adulta, problemas de heranças, relacionamentos amorosos que repetidamente não dão certo, que não conseguimos terminar ou esquecer, relações difíceis, agressivas, infelizes que se repetem com parceiros diferentes, separações dolorosas, alienação parental.

– Dinheiro e prosperidade, dificuldade em ganhar dinheiro, crenças negativas sobre dinheiro, alguém que prospera somente até determinado ponto e depois perde o que ganhou, dificuldade em ganhar ou em manter o dinheiro, etc…

– Temas ligados ao profissional, como dificuldade em lidar com sua profissão, nada que faz dá certo, dúvidas em qual caminho seguir, dificuldade em ascender profissionalmente, trabalhar com pessoas difíceis, procrastinar, insucesso profissional etc..

– Emocional, medos, insegurança, depressão, bullying, dificuldades nos relacionamentos, dificuldades em lidar com pessoas, em se desprender da família de origem, em formar nova família, sensação que é difícil agir como adulto etc.

3) O paciente apresenta algum tema específico para que dê andamento a esta atividade? A força e a efetividade da constelação é  ligada à força da questão a ser constelada. Deve ser um tema relevante para a vida da pessoa ou da família, e estar diretamente relacionado à suas próprias questões. Se a pessoa quer constelar somente por curiosidade o resultado não será efetivo.

4) Quais são os benefícios deste método? Há diversos possíveis benefícios com as constelações.

Ao conhecermos e sermos tocados pelas dinâmicas que originaram nossos problemas, oriundas de nosso sistema familiar, ampliamos a nossa consciência e conseguimos mudar a maneira de nos posicionarmos frente ao problema, modificar a forma de nos relacionarmos com as pessoas, mudarmos nossos valores de vida, abandonarmos e substituirmos as crenças limitantes que são herdadas de nossos sistema familiar, e ao fazê-lo, conseguimos reescrever nossas histórias.

Isso tem um valor imensurável. O que ocorre é Ampliação da Consciência e aquisição de sabedoria sistêmica para a vida.

5) A imprensa pouco difunde este tema. Como o senhor difunde esta pratica? Penso diferente. A imprensa tem divulgado cada vez mais as constelações familiares, nas suas diversas áreas de atuação. Eu mesmo já dei diversas entrevistas sobre o tema em redes de TV e rádio, e o tema foi até mesmo bloco do Fantástico há alguns meses atrás, abordando as constelações na mediação de conflitos no judiciário.

Eu divulgo as constelações através de meu trabalho diário constelando pessoas individualmente e em grupo, orientando grupos de estudos, facilitando workshops de constelação e cursos de formação, escrevendo em redes sociais, mídias digitais e impressas e dando entrevistas quando solicitado.

É gratificante testemunhar o crescimento das constelações familiares em tantos espaços, e verificar o efeito curativo e de ampliação da consciência nas pessoas que as buscam para ajudar a solucionar seus problemas. 

6) Há alguma situação muito diferente, dentro desta terapia, que o senhor já viu e gostaria de nos relatar? Há muitos testemunhos de pessoas que constelaram e obtiveram efeitos muito positivos nas suas vidas após as constelações, inclusive eu mesmo já passei por esse processo com modificações profundas.

Alguns exemplos são de pessoas que constelaram por dificuldades no relacionamento com filhos ou outras pessoas, e depois de algum tempo, houve uma procura destas que não participaram ou souberam da constelação com a finalidade de reaproximação saudável, sem que nada mais tivesse sido feito além da constelação.

Temas constelados de dificuldades profissionais ou financeiras que se mostraram na constelação estar identificados com pessoas na família que passaram por situações semelhantes sendo que a situação não era conhecida, e após a constelação a pessoa busca informações na família e descobre que aquilo que foi mostrado na constelação realmente aconteceu na família com aquelas pessoas.

Dificuldades de relação com mãe ou pai, que parecem inacessíveis e na constelação se descobre que passaram por situações semelhantes com seus pais, ou avós ou bisavós.

Situações de filhos que foram colocados inconscientemente no lugar de outros que vieram antes e morreram, ou foram abortados, inclusive tendo o nome desses filhos que não chegaram a nascer, que se sentem presos na vida, sem conseguir crescer e prosperar, desconhecendo essa identificação.

Clique aqui e confira entrevistas com outros personagens da região


saiba antes via instagram @revistamaissantos