BrasilCOTIDIANO 

Magistrado afirmou no despacho que a MP pode causar “grave e irreparável dano” aos jornais de grande circulação

Carlos Moura / Divulgação/SCO/STF
Ministro do STF Gilmar MendesCarlos Moura / Divulgação/SCO/STF

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu a eficácia imediata da medida provisória que dispensava prefeituras, governos estaduais e o governo federal de publicar atos administrativos em jornais de grande circulação.

O magistrado afirmou no despacho que a MP pode causar “grave e irreparável dano” aos jornais de grande circulação, “especialmente na esfera municipal”.

Informações da Associação Nacional de Jornais demonstrariam, segundo escreveu, a urgência na concessão da medida.

“Em curto espaço de tempo, e antes mesmo da confirmação da Medida Provisória pelo Congresso, os efeitos de sua edição estão, supostamente, afetando a imprensa, especialmente nos municípios, levando ao fechamento ou diminuição de circulação, afetando a própria liberdade de imprensa, bem tão caro à democracia”, escreveu ele.

A ação foi apresentada ao STF pela Rede Sustentabilidade. Nela, o partido argumentou que Bolsonaro objetiva, com a MP, “desestabilizar uma imprensa livre e impedir a manutenção de critérios basilares de transparência e ampla participação no âmbito das licitações.

A Rede relacionou ainda “diversas situações” em que o presidente “dirigiu ataques a Grupos de Comunicação, como Grupo Globo e o programa Jornal Nacional, demonstrando seu descontentamento com a imprensa”. A legenda afirma ainda que, no dia em que a MP foi publicada, o presidente teria dito: “Eu espero que o (jornal) Valor Econômico sobreviva à medida provisória.

Fonte: GaúchaZH

 

saiba antes via instagram @revistamaissantos