3.3 // CINEMACULTURA

O Curta Santos – Festival de Cinema de Santos anunciou no último sábado (20) os premiados de sua 16ª edição. A cerimônia ocorreu no Cine Roxy 4, no Shopping Pátio Iporanga (Gonzaga), antes da estreia do longa-metragem 45 Dias Sem Você, de Rafael Gomes, que encerrou a programação do festival.

Foto: Divulgação

Todos os vencedores receberam o Troféu Maurice Légeard. A escolha coube ao público. Quem compareceu às sessões durante a semana votou nos filmes das mostras Olhar Caiçara e Olhar Brasilis, enquanto a categoria Videoclipe Caiçara foi apurada em votação online.

Com o tema Pra Frente, Brasil, o 16º Curta Santos propôs uma reflexão a respeito da contemporaneidade do filme homônimo de Roberto Farias (1932-2018), lançado em 1982. A obra foi uma das primeiras a retratar o período da Ditadura Militar no Brasil.

Pautada por esta reflexão, a direção definiu os filmes da mostra nacional Olhar Brasilis, enquanto os próprios realizadores locais reuniram-se para escolher as obras da seleção regional Olhar Caiçara. A terceira categoria, Videoclipe Caiçara, apresenta o trabalho de bandas e artistas da região para a linguagem.

Ao todo, incluindo as mostras Curta Matinê e de longa-metragem (filmes convidados), o Curta Santos exibiu 47 filmes em cinco dias, distribuídos em 40 sessões gratuitas. Ainda homenageou o diretor João Batista de Andrade, pelo conjunto de sua obra audiovisual e contribuição à linguagem. Ele esteve presente à abertura no dia (16), quando foi exibido seu documentário: Vlado – 30 Anos Depois.

 

Confira os premiados desta edição

Melhor Filme da Mostra Olhar Brasilis

Um Filme de Baixo Orçamento (São Paulo-SP)

Ficção. Direção e Roteiro de Paulo Lereier.

Sinopse: Cientistas do Instituto Brasileiro de Pesquisas Alternativas e de Segunda Importância combatem a falta de verba e mantém vivos seus sonhos.

 

Melhor Filme da Mostra Olhar Caiçara

Elza (Santos – SP)

Documentário. Direção: Leandro Olímpio.

Sinopse: A gente não presta atenção, mas o cineasta sempre escolhe quais cenas entram e quais ficam de fora do filme. Na vida não é diferente, vó. A memória é uma ilha de edição.

 

Melhor Videoclipe Caiçara

Beline – “Intangível” (Santos – SP)

Direção: Matheus Correia

saiba antes via instagram @revistamaissantos