COLUNASMAIS SAÚDE

Respirar bem para viver melhor

A respiração é uma função fisiológica controlada de forma involuntária e parte voluntária. Involuntário significa que ninguém morrerá por parar a respiração. Até o último segundo da vida, centros nervosos mandarão ordens para que os músculos respiratórios se contraiam, ampliando o peito para a entrada do ar. O controle involuntário também se dá conforme a necessidade corpórea. Por exemplo, na atividade física, o padrão respiratório aumenta a frequência.

Já o controle voluntário acontece na apneia para o mergulho ou para encher uma bexiga de festa. Alguns medicamentos ou substâncias podem alterar esse controle. Porém, em um mix de voluntário e de involuntário, o padrão respiratório modifica-se de acordo com o estado emocional. O estresse imprime um padrão respiratório mais acelerado, alterando a composição do sangue.

A respiração serve para captar ar atmosférico, constituído de oxigênio, nitrogênio, água e outros gases, assim como para exalar o ar pulmonar com maior taxa de gás carbônico, produzido pelas células. A frequência é estabelecida, principalmente, pela quantidade de gás carbônico no sangue, que, por sua vez, altera o componente ácido sanguíneo, produzindo os fenômenos de acidose (excesso de ácido) ou alcalose (falta de ácido) respiratórias. Ambas as situações podem trazer repercussões graves para o organismo.

Existem várias técnicas respiratórias que trazem melhorias significativas para a redução da ansiedade, controle da pressão arterial e até a melhoria de aprendizado. Muitas dessas técnicas estão associadas à meditação ou concepções filosóficas vitalistas. Independentemente dessas convicções ou práticas, é certo que respirar pausadamente melhora a condição de vida.

O exercício consciente da frequência respiratória deve ser feito diariamente, por 10 ou 15 minutos para o controle da pressão arterial. Pode começar com menos tempo. Também pode ser feito no momento de maior ansiedade. O ritmo lento e consciente da respiração deve ser mantido entre seis e 10 ciclos respiratórios por minuto. Para seis ciclos deve-se inspirar em cinco segundos e expirar em outros cinco. Já o de dez ciclos, cada fase será feita em três segundos.

Essa prática diária pode ser introduzida em qualquer momento do dia, mas será melhor se você estiver em um ambiente confortável, sentado com os dois pés no chão, ligeiramente distanciado entre eles. Inspire pelo nariz e expire pela boca.

O  Centro de Informações sobre Medicamentos (CIM), do curso de Farmácia da Unisantos, está disponível para solucionar suas dúvidas. O contato pode ser pelo e-mail cim@unisantos.br

 

saiba antes via instagram @revistamaissantos