PortoSANTOS 

Os profissionais do Departamento de Vigilância em Saúde (Devig), da Prefeitura de Santos, vão apoiar a investigação epidemiológica no navio de bandeira chinesa Kota Pemimpin, onde dois tripulantes ficaram doentes no percurso para o Brasil. A embarcação partiu de Singapura e esteve nos últimos 30 dias em quatro portos da China, país que concentra o maior número de casos e mortes pelo novo coronavírus, e atracará no Porto de Santos no final da noite desta segunda-feira (17).

“Amanhã (terça, 18), às 8h, nenhum tripulante terá saído da embarcação e as nossas equipes de Vigilância do Município, do Estado e da Anvisa vão ingressar para fazer a investigação epidemiológica da totalidade dos tripulantes”, explicou o secretário municipal de Saúde, Fábio Ferraz, durante reunião realizada nesta segunda-feira na Prefeitura.

Segundo o relatado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), órgão federal responsável pelo controle sanitário nos portos brasileiros (lei n° 9.782/1999), dois do total de 25 tripulantes ficaram doentes com sintomas gripais, mas que já estariam recuperados. Além dos profissionais da Saúde de Santos, a vistoria contará com integrantes do Grupo de Vigilância Epidemiológica (GVE), do Governo do Estado.

“O que nós estamos fazendo é de acordo com as orientações do Ministério da Saúde, que é a investigação de qualquer pessoa, independentemente da idade, que apresentar febre acompanhada de tosse ou sintomas respiratórios e que nos últimos 14 dias tenha passado pela China”, ressaltou a diretora do Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) do Estado de São Paulo, Helena Sato, que esteve na coletiva no Paço Municipal.

Investigação

Os profissionais de saúde estarão devidamente paramentados para a investigação epidemiológica na embarcação e verificação se há tripulantes ainda doentes e com risco de transmissão de doenças infectocontagiosas. As medidas como coleta de exames e possíveis isolamentos dos tripulantes dentro da embarcação, remoções ou até internação hospitalar em unidade especializada, caso preciso, serão definidas pela Anvisa, com apoio técnico dos demais órgãos.

O protocolo estabelecido pelo GVE é que na Baixada Santista pacientes graves com suspeita de coronavírus sejam transferidos para os hospitais estaduais Emílio Ribas (Guarujá) e Guilherme Álvaro (HGA).

Foto: Reprodução/ Internet

saiba antes via instagram @revistamaissantos