Variedades 

É comum surgirem dúvidas sobre quando começar a rotina de consultas ginecológicas. Por isso, trouxemos o especialista Alexandre Zabeu Rossi para explicar qual o momento correto para agendar um horário com um ginecologista.

Segundo ele, embora não haja uma idade estabelecida para isso, já que o atendimento em ginecologia se estende da primeira infância à velhice, podem-se adotar como parâmetro, de uma forma geral, os primeiros sinais de entrada na puberdade, como o surgimento de mamas, pelos pubianos e desenvolvimento dos órgãos genitais externos.

O surgimento do broto mamário é outro sinal importante, normalmente 24 meses antes da primeira menstruação, o que deve ocorrer, teoricamente, a partir dos oito anos de idade, “embora a idade média no Brasil fique entre os 10 e 12”, ressalva Rossi.

De acordo com o médico, ao procurar um ginecologista neste período a menina tem benefícios importantes em relação aos cuidados com a sua saúde, sobretudo no tocante ao crescimento, pois se o desenvolvimento sexual estiver acontecendo de forma adiantada, a calcificação das cartilagens também ocorre mais cedo.

“Se ela tem um precoce desenvolvimento mamário e da genitália, provavelmente será uma adulta de baixa estatura. Tivemos vários casos assim e também de pacientes com corrimento vaginal”, acrescenta.

Contudo, problemas como esses podem ser evitados ao se retardar o desenvolvimento sexual com medicamentos específicos, “de tal forma que o hormônio do crescimento aja por mais tempo, permitindo com isso um ganho considerável em estatura”, conclui.

DADOS PREOCUPANTES

Segundo pesquisa da Febrasgo (Federação brasileira de Ginecologia e Obstetrícia) e Data Folha, pelo menos 5,6 milhões de brasileiras não costumam ir ao ginecologista-obstetra e 4 milhões nunca procuraram essa especialidade.

Rossi alerta para a importância de exames periódicos na prevenção de doenças como câncer de mama, ovários ecolo do útero, este último causado pela infecção persistente por alguns tipos do Papilomavírus Humano (HPV) conhecidos como oncogênicos.

saiba antes via instagram @revistamaissantos