Variedades 

Por Xico Gonçalves

O paletó é uma peça que vem ganhando espaço no guarda-roupa feminino e já faz parte do figurino da lista das cem pessoas mais importantes da história do século XX, conforme a revista Time.

Esta peça saiu de vez do closet masculino e do office look para vestir as mulheres em qualquer atividade.

Em formato oversized, justos, com cortes retos ou pegada colegial, estes básicos da alfaiataria dominaram as passarelas internacionais.

Entretelados ou descontraídos, paletós e blazers retornam de forma versátil, surgindo como a melhor opção para compor as produções do verão 2020.

Ao lado de bermudas, vestidos e minissaias, é elemento chave.

Peça com história

A história do paletó feminino remonta à década de 1920, quando Coco Chanel incluiu a peça no guarda-roupa na tentativa de criar roupas para as mulheres contemporâneas.

Na década de 1960 o paletó ressurgiu no vestuário como uma forma das mulheres demonstrarem poder e imponência. Foi

Yves Saint Laurent o responsável pelo retorno ao lançar em 1966 o “Le Smoking”.

Ao longo dos anos, o paletó se reinventou e na década de 1980, a moda impôs paletós com poderosas ombreiras marcando os ombros.

O paletó das tendências atuais é o maxi blazer, onde a peça aparece mais alongada e larga, na proporção masculina da estética “boyfriend”. Mas em qualquer formato é um grande investimento.

Versatilidade comprovada

Mulheres de qualquer idade e tipo físico precisam de um paletó no armário.

É uma das poucas peças que podem ser usadas o ano todo.

Veste bem em viagem, vira uniforme profissional e protege o corpo (e os decotes) em qualquer estação.

A alfaiataria é algo atemporal, portanto, pense em bons materiais, com toque suave, caimento fluido, corte arrojado – e nada que esquente muito.

Na hora de definir a cor, a princípio vale considerar as mais básicas, pensando na versatilidade e no potencial de uso.

Neutros como o cinza e o bege são eternos, mas em qualquer cor é o melhor parceiro para qualquer aventura de estilo.

Mais que perfeito

O Paletó “corrige” a estrutura do corpo por ser uma peça estruturada e com ombros retos.

A conformação dos ombros, recheada por pequenos enchimentos, o estilo de modelagem e o formato limpo diminui visualmente a

largura dos quadris (além de cobri-los) e proporciona as mulheres a mesma autoridade e poder que o paletó empresta aos homens.

A peça de alfaiataria consegue até aumentar o tamanho das pernas, se a calça for de cor neutra e o paletó em tom de destaque.

E se na hora da compra existir uma calça ou saia no mesmo tecido, adquira sem pensar.

O conjunto se transformará em um curinga tão perfeito quanto são os trajes dos homens.

O paletó perfeito

Forro

  • O forro deve ser em material macio, no mesmo tom e qualidade do tecido do paletó, com folga na bainha.

Gola

  • Deve encostar suavemente no pescoço e cair em “V” fechado.

Lapelas

  • Devem cair perfeitamente, sem franzidos, nem macias e nem rígidas.

Ombreiras

  • As ombreiras devem sustentar o ombro e o caimento da manga e ficar invisíveis no tecido do paletó.

Costas

  • Devem ter folgas suficientes, para o movimento dos braços.

Cores

  • Tradicionais que combinam com tudo e com todas as estações: tons de cinza, bege, camelo, marinho, marrom e o preto.

Entretelas

  • Importantíssimas. Devem ser adequadas ao tecido para não formar bolhas e nem ficar rígido.

Abotoamento

  • Botões na cor do tecido aceitam mais combinações.
  • O casaco precisa vestir bem abotoado ou não.

Bolsos

  • Bolsos bem colocados devem ter forros macios e nunca abrir.

Comprimento da bainha

  • O comprimento da bainha deve cobrir as nádegas até o início das coxas nas modelagens eternas.

Mangas

  • Devem cair natural, sem rugas, do ombro ao punho e presas na cava sem franzidos e costura impecável.

Comprimento punho

  • A bainha deve apenas roçar no dorso da mão ao dobra-la para cima.

Materiais

  • Os materiais clássicos são os melhores: lãs frias e gabardines, crepe, microfibra, linho e tecidos com fio elastano.

Os tipos de paletós

Maxi blazer ou Oversized

A proposta do maxi blazer é que ele seja mais comprido mas tenha um corte e caimento que se adeque ao corpo, não parecendo desproporcional

As peças oversized estão em alta – e, definitivamente, elas dão um acabamento mais cool ao look.

A pedida é combinar o paletó neste formato (vale até pegar emprestado de algum homem da família) com peças curtíssimas ou justas.

Tradicional

Como o paletó é um item que pode sobreviver a muitas estações, dê preferência para modelagens tradicionais, com lapelas moderadas, botões clássicos no tom que permitem o uso a qualquer hora e com qualquer combinação de roupas ou cores e tecidos de meia-estação, ideais para qualquer clima.

O paletó eterno no guarda roupa não pode ter modismos, golas trabalhadas, bolsos detalhados ou interferência de outra cor.

O investimento deve ser na qualidade do tecido e acabamento.

No formato tradicional (como a dos homens) o paletó sempre será elegante e útil vestindo bem qualquer formato de corpo.

A modelagem tradicional tem pequenas penses na modelagem para acomodar as curvas femininas. Pode ter o abotoamento simples ou traspassado.

As ombreiras nunca devem ser exageradas e nem marcar por fora.

Paletó ajustado ou blazer

A forma é tradicional, mas ajustada por pences ou recortes mais fundos para aproximar o casaco do corpo. Geralmente são mais curtos.

Esta modelagem exige silhueta esguia. Pode expor o que não merece ser mostrado (especialmente em volta da cintura).

O formato destaca bumbum volumoso, busto extragrande, quadris largos e/ ou cintura grossa.

Favorece mulheres de pouca altura ou pouco busto.

Paletó cardigan ou reto

Reto como o cardigan, tem modelagem confortável e emagrecedora.

Paletós neste formato devem cair retos do ombro até a bainha.

Usados com peças ajustadas como a saia ou calça de cor semelhante ou igual, alongam e afinam a silhueta.

O comprimento ideal deve tapar as nádegas.

Tática para esconder quilos a mais em qualquer parte do corpo.

Podem ser usados com cintos para marcar a cintura.

Paletó chemisier ou militar (safári)

Ideal para tecidos macios, quase sempre sem forro, pode ser usado com ou sem cinto.

Use em tecidos de algodão para o dia e sedosos para a noite.

Atenção ao excesso de bolsos e lapelas que criam volumes onde se posiciona.

Veja algumas destas possibilidades: 

saiba antes via instagram @revistamaissantos