Variedades 

A esfoliação é um procedimento conhecido por potencializar um dos processos naturais da pele: a eliminação das células mortas e a renovação celular. “A esfoliação é realizada por pequenas partículas que fazem uma limpeza profunda através de uma leve abrasão na camada superficial do tecido cutâneo, que remove as impurezas e a oleosidade acumuladas e também impulsiona a renovação celular”, explica a dermatologista Dra. Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD). Para ajudar nos cuidados com a pele, a médica esclareceu tudo o que é necessário saber sobre uma boa esfoliação corporal e facial. Confira:

– Quais os benefícios da esfoliação? “A esfoliação estimula a renovação celular e melhora a textura da pele. Com a produção acelerada de novas células, o tecido fica com uma textura mais homogênea. Além de retirar o excesso de sebo acumulado nos poros, ajudando a proteger a pele de cravos e espinhas, que são poros inflamados e infeccionados por bactérias. A esfoliação potencializa a capacidade de absorção dos cosméticos pela pele, deixando-a preparada para o uso de cremes”.

– Como esfoliar a pele? “O esfoliante deve ser aplicado sobre a pele úmida, anteriormente lavada, com movimentos circulares. O produto deve permanecer na pele por dois ou três minutos, para que os princípios ativos entrem em ação, sendo logo depois enxaguado. Além disso, ao realizar a esfoliação corporal é essencial ficar atento com as áreas de mais sensibilidade, como o colo e os seios, que não devem ser machucadas e realizar movimentos mais contínuos nos joelhos, cotovelos, pés e mãos, por serem partes do corpo com mais queratina e, portanto, mais resistentes”.

– O que um bom esfoliante facial precisa conter? “O esfoliante deve conter partículas pequenas ou médias feitas de ativos naturais, como a casca do arroz ou a semente de apricot. O produto deve atuar como creme ou sabonete e ter em sua fórmula ingredientes calmantes, anti-inflamatórios, hidratantes e antissépticos, propondo assim uma higienização do tecido cutâneo sem agredi-lo”.

– E que cuidados devem ser tomados após a esfoliação? “Após o procedimento, a hidratação facial é de extrema importância, pois a camada protetora da pele é parcialmente removida. Então, ocorre uma perda da integridade da barreira cutânea, causando sensibilidade, irritação e efeito rebote. Por isso, é necessário hidratar a pele regularmente com substâncias que podem reter a molécula de água e proporcionar simultaneamente proteção e hidratação. O meio escolhido deve ser compatível ao tipo de pele, desde um leve sérum até um creme nutritivo. Além disso, pessoas que usam cremes com ácido devem ter cuidado ao fazer a esfoliação, pois os produtos jamais devem ser aplicados no mesmo dia para evitar uma irritação na pele”.

– E o esfoliante corporal? “Os esfoliantes corporais devem ser compostos de partículas maiores, sendo incorporadas em sabonetes cremosos para uso no banho ou misturadas com óleos naturais de fácil aplicação e espalhabilidade. Em relação aos utilizados no rosto, o esfoliante corporal ocasiona uma esfoliação homogênea, resultando em uma pele mais fina de textura regular e luminosa”.

– E o que devemos evitar na hora de escolher os esfoliantes? “Evite produtos que contenham microplásticos como agentes esfoliantes, porque as esferas de microplásticos chegam aos rios depois do enxágue e causam poluição e morte dos peixes. Preste atenção na rotulagem dos produtos para evitar esses ingredientes, como o polietileno, que está presente nos rótulos como Polyethylene. Para substitui-los, prefira ingredientes como as esferas vulcânicas ou ativos naturais como a casca do arroz, que não machucam a pele e são ecologicamente adequados”.

– Esfoliantes caseiros são seguros? “A aplicação excessiva de receitas caseiras pode provocar alguns danos à pele, como alergia e ressecamento, e também pode manchá-la quando exposta ao sol. Certos ingredientes utilizados nessas receitas caseiras, como o sal grosso e o açúcar cristal, agridem a pele, pois as partículas esfoliantes são pontiagudas demais. Para maior segurança, use produtos específicos determinados por um dermatologista”.

– Com que frequência deve-se esfoliar a pele do rosto e do corpo? “A frequência varia com o tipo de pele. A pele oleosa precisa ser esfoliada duas vezes por semana. Já a pele normal e a seca devem ser esfoliadas no máximo uma vez por semana. Tome cuidado com o uso em excesso do esfoliante, porque ele pode causar coceira, irritabilidade, vermelhidão e sensação de repuxamento da área onde foi aplicado, além de gerar efeito rebote, que provoca mais oleosidade na pele”.

saiba antes via instagram @revistamaissantos