PUBLICIDADE

- INVISÍVEL

45% dos paulistas concordam com a proibição de sacolinhas plásticas

Um mês após entrar em vigor a lei das sacolinhas, em que os comércios são obrigados a ceder aos clientes apenas sacolas reutilizáveis nas cores verde e cinza, produzidas com matéria-prima renovável, uma plataforma de pesquisa, realizou um levantamento com 500 pessoas da cidade de São Paulo.

Com a nova exigência muitos supermercados passaram a cobrar entre R$0,08 e R$0,10 pelas novas sacolas, o que não agradou grande parte dos consumidores. Entre todos os respondentes da pesquisa, 45% concorda com a proibição de sacolinhas, 88% discorda da cobrança pelas novas sacolas próprias para reciclagem e 90% acredita que não devem pagar pelas sacolas vendidas junto com as compras.

Confira outros resultados da pesquisa:

– 74% já utilizou as novas sacolas plásticas;

– Destes, 73% pagou por elas;

РEm m̩dia o custo foi de R$0,09;

– 89% pretende utilizar outras formas para levar as compras;

– A sacola retornável foi apontada como o principal meio para transporte (81%), seguido das caixas de papelão (39%) e caixas de plástico (7%);

– Para 39% as novas sacolinhas podem incentivar a prática de reciclagem de lixo;

– 62% já separa o lixo para reciclagem (esse percentual aumenta se considerar somente as respostas de quem mora em bairros onde existe coleta seletiva – 83%);

– 53% pretende utilizar as novas sacolinhas para separar o lixo na reciclagem.