PUBLICIDADE

- INVIS√ćVEL

Fique de p√©: sua sa√ļde agradece

colunistas_helinho-calfa

 

 

 

 

Quantas horas por dia você passa de pé? Prepare-se para ouvir a pergunta de seu médico, se é que ela já não foi feita. Cada vez mais comum nos consultórios, das mais variadas especialidades, a singela indagação tem sido utilizada pelos profissionais como nova e promissora ferramenta de diagnóstico e tratamento.

As modernas linhas de pesquisa na área da fisiologia têm relevado que o esforço natural do corpo para manter-se ereto faz bem à silhueta, previne doenças, melhora o desempenho intelectual e a memória. O mais recente estudo sobre o assunto, publicado na revista científica American Journal of Preventive Medicine,revelou o impacto de pequenos movimentos feitos em pé na diminuição do risco de mortalidade.

Os conhecimentos sobre os proveitos de gestos t√£o discretos t√™m se aprofundado a passos largos. Em junho, a revista cient√≠fica British Journal of Sports Medicinepublicou um estudo que ditava o tempo ideal para manter-se em p√© em prol da sa√ļde: duas horas por dia. Isso representa, ao longo de nove horas de trabalho, apenas treze minutos por horas.

O ato de ficar de p√©, e por t√£o pouco tempo, √© suficiente para beneficiar v√°rias estruturas do corpo. A tens√£o muscular necess√°ria para manter corpo ereto, em equil√≠brio, facilita a absor√ß√£o da glicose pelas c√©lulas dos m√ļsculos com menor media√ß√£o de insulina, poupando o trabalho do p√Ęncreas. Aumento o consumo de oxig√™nio celular, melhorando o desempenho cardiovascular, por exemplo. Depois de duas horas, o corpo ereto queima 20% mais calorias em compara√ß√£o ao sentado, independentemente de tempo ser corrido ou fracionado.

Na cola das descobertas médicas, surgem os primeiros recursos para estimular a postura ereta na rotina diária. O Apple Watch, o relógio da Apple, lançado em abril deste ano, tem um sistema para contabilizar o tempo que o usuário permanece em pé. A ferramenta emite um alarme que avisa quando se está prestes a permanecer sentado por uma hora.

Portanto, n√£o somos b√≠pedes √† toa. A evolu√ß√£o √© a prova irrefut√°vel de que, embora o ser humano moderno queira ‚Äď e goste de ‚Äď conforto, ficar de p√© por alguns minutos tem um impacto extraordin√°rio na sua sobreviv√™ncia.