PUBLICIDADE

- INVISÍVEL

Globo teme violência contra repórteres no protesto

Carros de reportagem sem logomarca. Microfones sem canopla. Coletes de proteção e capacetes à disposição. Segurança privada na retaguarda. A Globo irá tomar providências para evitar que suas equipes sejam alvo de possível violência nas manifestações contra o governo marcadas para o domingo (15).

Nos protestos de junho de 2013, profissionais da emissora foram insultados e houve tentativas de agressão. Alguns repórteres, como Vandrey Pereira, no Rio, e Caco Barcellos, em São Paulo, precisaram ser escoltados por policiais após sofrerem ameaças.

Em outro episódio, a jornalista Bette Lucchese foi hostilizada enquanto gravava uma matéria. O caso mais grave aconteceu com Pedro Vedova, hoje correspondente da Globo e da GloboNews em Londres. Ele foi atingido na testa por uma bala de borracha durante uma manifestação no Rio.

A preocupação com a segurança dos profissionais da emissora aumentou na semana passada, quando Angélica experimentou o clima anti-Globo ao tentar entrevistar atores numa universidade carioca. A apresentadora e sua equipe deixaram o campus sob vaias e xingamentos.