PUBLICIDADE

Região / Educação

Futuros arquitetos da Baixada Santista tem projeto entre os primeiros colocados em concurso nacional

O projeto prop√Ķe a cria√ß√£o de unidades educacionais sustent√°veis e mescladas com a natureza. A ideia dos alunos surgiu ap√≥s estudo sobre as palafitas localizadas entre Santos e S√£o Vicente.

 

O projeto é dos alunos Gabriel Costa Bignotto Pereira, Gabriela Monteiro Coutinho, João Pedro de Oliveira Caetano e Murillo Rodrigues Pereira РFoto: Divulgação

Da redação

O projeto de quatro alunos do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Paulista (UNIP), campus Santos, ficou entre os três primeiros colocados em meio a mais de 50 propostas apresentadas na 16ª edição do Concurso CBCA para Estudantes de Arquitetura 2023, promovido pelo Centro Brasileiro da Construção em Aço (CBCA).

Intitulado Escola, Cidade e Mangue, o projeto dos alunos Gabriel Costa Bignotto Pereira, Gabriela Monteiro Coutinho, Jo√£o Pedro de Oliveira Caetano e Murillo Rodrigues Pereira prop√Ķe reconhecer a Arquitetura como disciplina fundamental para a constru√ß√£o do habitat no √Ęmbito do desenvolvimento sustent√°vel. Eles contaram com a orienta√ß√£o do professor Dhiego Magalh√£es Torrano, mestre em Arquitetura e Urbanismo pela USP.

Seguindo os crit√©rios exigidos pelo concurso, a proposta contempla o quarto Objetivo de Desenvolvimento Sustent√°vel (ODS 04) da Agenda 2030 da ONU, que versa sobre Educa√ß√£o de Qualidade. ‚Äú(…) o projeto insere-se em √°rea de mangue na bacia Santista, no Rio dos Bugres, cujas margens se transformaram em bairro dormit√≥rio com ocupa√ß√£o prec√°ria. Escola, Cidade e Mangue busca recuperar o di√°logo entre a ocupa√ß√£o e a natureza.

Redesenho do passeio p√ļblico dialoga com a margem e torna vis√≠vel o que antes parecia ter invisibilidade: o mangue. Argumenta√ß√£o bem justificada e detalhada no memorial descritivo e √≥tima apresenta√ß√£o gr√°fica. Bom desenvolvimento dos sistemas estruturais‚ÄĚ, destacou a comiss√£o julgadora.

Sobre o projeto

Foto: Divulgação

O projeto prop√Ķe a cria√ß√£o de unidades educacionais sustent√°veis e mescladas com a natureza. A ideia dos alunos surgiu ap√≥s estudo sobre as palafitas localizadas entre Santos e S√£o Vicente. Diante da ocupa√ß√£o desordenada, o manguezal foi duramente prejudicado, causando desequil√≠brio e polui√ß√£o, al√©m de decl√≠nio na qualidade de vida dos moradores.

Conforme o estudo, as estruturas voltadas para atividades educacionais e de lazer seriam erguidas no Dique da Vila Gilda e no Dique do Caminho S√£o Jos√©, em Santos, e no Dique do Sambaiatuba, em S√£o Vicente. As unidades educacionais seriam constru√≠das por meio de estruturas lineares alinhadas ao tecido urbano, com o intuito de reconstruir uma frente de di√°logo e continuidade do ch√£o da cidade ao qualificar o leito do pedestre com programas de perman√™ncia, sendo poss√≠vel, assim, criar possibilidades de conex√Ķes francas, funcionando como catalisadores do desenvolvimento urbano e social da regi√£o.

As estruturas s√£o voltadas para a educa√ß√£o e o lazer usufru√≠do de maneira sustent√°vel. Elas seriam implantadas de modo que a estrutura met√°lica possa promover a ocupa√ß√£o de forma delicada, como se as edifica√ß√Ķes flutuassem sobre as √°guas e o mangue que, pelos vazios internos, aflora nos edif√≠cios, por sua vez compostos pela repeti√ß√£o de um m√≥dulo simples.

Foto: Divulgação

Com suas medidas, a estrutura pode se valer das características do aço como a leveza, a versatilidade e a precisão industrial, tornando o processo construtivo mais limpo e eficiente ao ocupar o mínimo da geografia natural. Além disso, três barras lineares que abrigariam usos pedagógicos convencionais e laboratórios comunitários destinados aos saberes populares, distribuídos ao longo do nível da rua, geram frentes de cidade e estuário acessíveis e convidativas.

Com isso, √© idealizada a cria√ß√£o de um equipamento escolar como local representativo da conscientiza√ß√£o da popula√ß√£o, contribuindo para a regenera√ß√£o do bioma natural ao longo dos anos. As atividades internas ocupam o centro do m√≥dulo, possuindo uma pequena varanda sobre o mangue, posta como media√ß√£o entre o espa√ßo interno e a cidade, enquanto para o rio loca-se a circula√ß√£o do eixo arterial das edifica√ß√Ķes, al√©m de pontos de descompress√£o onde o programa se desloca para o mangue, por meio de flutuantes sob a influ√™ncia da mar√©.

Foto: Divulgação

Os alunos premiados esperam que, com esse projeto, a perspectiva da gestão participativa busque uma solução em conjunto com as cooperativas de reciclagem do entorno para confeccionar, com os plásticos reciclados e retirados da área de intervenção, uma vedação externa feita por lonas bioplásticas fotossintéticas, para controle de insolação e geração de energia por um mecanismo fotobiorreator, diluindo a edificação na paisagem graças à sua translucidez e cores semelhantes às do mangue e iluminando sutilmente durante a noite as cidades por bioluminescência.