PUBLICIDADE

Santos / Festas Populares

Sete escolas de samba desfilam no primeiro dia do Carnaval de Santos

Pelo Grupo de Acesso, entraram em cena as escolas Padre Paulo, Bandeirantes do Saboó e Vila Mathias. No Especial, Unidos da Zona Noroeste, União Imperial, X-9 e Real Mocidade Santista.

 

Vídeo: Prefeitura de Santos 

Por Vinícius Farias 

Dando in√≠cio √†s comemora√ß√Ķes do Carnaval de Santos, sete escolas de samba desfilaram na Passarela do Samba Dr√°uzio da Cruz, nesta sexta-feira (2). O¬† ¬†embaixador do¬†carnaval¬†santista,¬†Neguinho da Beija-Flor, tamb√©m esteve presente

Pelo Grupo de Acesso, entraram em cena as escolas Padre Paulo, Bandeirantes do Saboó e Vila Mathias. No Especial, Unidos da Zona Noroeste, União Imperial, X-9 e Real Mocidade Santista.

Grupo de Acesso: 

Padre Paulo

Foto: Prefeitura de Santos

Abrindo a passarela, a Padre Paulo prestou homenagem ao maracatu, manifesta√ß√£o cultural de Pernambuco, combinando tradi√ß√Ķes africanas, portuguesas e ind√≠genas, at√© seu hist√≥rico de resist√™ncia ao representar as lutas do povo e sua grandiosidade cultural, religiosa e ancestral.

Bandeirantes do Saboó

Foto: Prefeitura de Santos

Com o enredo ‚ÄėUma Doce Magia‚Äô, a Bandeirantes do Sabo√≥ trouxe uma hist√≥ria sobre o mundo da confeitaria. A agremia√ß√£o levou¬† 700 integrantes divididos em dez alas.

Vila Mathias

Foto: Prefeitura de Santos

Na sequência, a Vila Mathias entrou em cena, com um tributo à Faculdade do Samba, como é conhecida a Barroca Zona Sul, agremiação da Capital com origem na Vila Mariana. A escola trouxe 600 componentes em 14 alas.

Grupo Especial 

Unidos da Zona Noroeste

Foto: Prefeitura de Santos

Abrindo o Grupo Especial, a atual campe√£ do Grupo de Acesso, a Unidos da Zona Noroeste, que trouxe¬† um tributo √† classe dos caminhoneiros. A ideia era valorizar a luta di√°ria desses trabalhadores pelas estradas Brasil afora e seu fundamental papel para o desenvolvimento do Pa√≠s. Os desafios di√°rios, a devo√ß√£o ao padroeiro S√£o Crist√≥v√£o, o anseio de reencontrar a fam√≠lia e dar a ela uma condi√ß√£o melhor. O n√ļmero de alas foi 14.

Uni√£o Imperial

Foto: Prefeitura de Santos

A Uni√£o Imperial veio logo depois, com uma homenagem √† resist√™ncia negra em Santos. A escola, que busca de seu 11¬ļ t√≠tulo, teve 1.400 componentes divididos em 14 alas.

X-9

Foto: Prefeitura de Santos

Nem tudo foi perfeito. A maior vencedora de títulos da Cidade, a agremiação X-9 entrou na sequência, com  13 minutos de atraso, por conta do eixo do carro acoplado ao abre-alas, que quebrou e não fez parte do desfile. No entanto, a agremiação do Macuco entrou com determinação.

Com o enredo ‚ÄėMeu Nome √Č Favela‚Äô,¬† a X-9 levou para a avenida um peda√ßo do Brasil que nem todos conseguem enxergar, abordando a resist√™ncia dessas comunidades √† indiferen√ßa e √† desigualdade, mas exaltando sua garra e a beleza de um mosaico de cores, culturas, talentos e diversidade em busca de seu espa√ßo no asfalto.

A escola contou com 2 mil componentes e três carros alegóricos, divididos em 16 alas.

Real Mocidade

Foto: Prefeitura de Santos

Para finalizar a primeira noite, a Real Mocidade. Com o enredo ‚ÄėOxente, Real Mocidade, Santista! Elba, a sua hist√≥ria faz hist√≥ria. Ai que saudade d‚Äôoc√™!‚Äô, a agremia√ß√£o homenageou uma das grandes artistas da m√ļsica brasileira: Elba Ramalho, com¬† grandes sucessos que marcam seus mais de 50 anos de carreira. Foram 1.200 componentes divididos em 13 alas al√©m de tr√™s carros aleg√≥ricos.