PUBLICIDADE

Santos / Polícia

Famoso neurocirurgião santista é investigado por estuprar pacientes e armazenar pornografia infantil

O m√©dico possu√≠a v√≠deos e fotos das pacientes desacordadas. O neurocirurgi√£o nega as acusa√ß√Ķes.¬†

 

Foto: Reprodução 

Por Vinícius Farias 

Um m√©dico neurocirurgi√£o de Santos est√° sendo investigado por estuprar pacientes desacordadas e armazenar pornografia infantil. A defesa de Jo√£o Lu√≠s Cabral Junior, de 51 anos, nega as acusa√ß√Ķes. O m√©dico chegou a ser preso, mas foi liberado.¬†

De acordo com o Boletim de Ocorrência, em 26 de setembro, policiais civis cumpriram um mandado de busca e apreensão no apartamento do médico, que fica na Avenida dos Bancários, na Ponta da Praia, em Santos.

Assim que chegaram l√°, o homem atendeu os agentes, se apresentando como um conceituado m√©dico da regi√£o. Cabral atuava com um consult√≥rio pr√≥prio e coordenava a cl√≠nica do Hospital Associa√ß√£o Policial de Assist√™ncia √† Sa√ļde da Baixada Santista (Apas), em Santos.

Questionado sobre o armazenamento de pornografia infantil, o suspeito negou. Notebooks, computador, o HD externo e o celular do médico foram apreendidos. 

¬†Durante uma varredura nos aparelhos, foram encontrados arquivos com cenas de crian√ßas e adolescentes em situa√ß√£o de vulnerabilidade sexual. Inclusive, haviam v√≠deos feitos pelo pr√≥prio m√©dico, confirmando as acusa√ß√Ķes. Tamb√©m foram achados v√≠deos de pacientes desacordados e que tiveram as partes √≠ntimas filmadas.

Em um dos arquivos, Cabral tira fotos das partes íntimas de uma paciente visivelmente sedada e deitada em uma maca. Havia ainda imagens feitas pelo suspeito de uma jovem dormindo com camisola e calcinha em um quarto de hospital.

Uma das cenas registra um momento que se caracteriza como estupro de vulnerável: o médico afasta a roupa íntima de uma mulher e introduz o dedo nas partes íntimas dela.

Em nota, o advogado do médico, Eugênio Malavasi, diz que o neurocirurgião é inocente e que provará o alegado no momento processual oportuno.

A Secretaria de Seguran√ßa P√ļblica¬† (SSP) informou que o caso √© investigado sob sigilo pela Delegacia Seccional de Tabo√£o da Serra.¬†