PUBLICIDADE

Santos / Sa√ļde

A √©tica na sa√ļde

Falar em √©tica nos dias de hoje pode parecer um contrassenso. Pelo contr√°rio, √© necess√°rio que esse tema seja discutido na sociedade e, de certo modo, que retomemos valores mais universais, que fa√ßam a op√ß√£o pelo interesse coletivo. Assim, os princ√≠pios √©ticos devem permear todas as nossas a√ß√Ķes, incluindo-se, obviamente, nas da sa√ļde. Isso deve envolver profissionais e cidad√£os, porque a sa√ļde tem de ser constru√≠da continuamente.

Pautar as a√ß√Ķes profissionais por princ√≠pios √©ticos √© uma obriga√ß√£o legal de cada categoria. As profiss√Ķes da √°rea da sa√ļde elaboram o seu c√≥digo de √©tica profissional (C√≥digo Deontol√≥gico) que estabelecem as regras de relacionamento dos profissionais com a sociedade, com outros profissionais e entre si. De um modo geral, os profissionais da sa√ļde devem limitar sua atua√ß√£o nas bases da ci√™ncia; n√£o podem prometer cura ou melhorias irreais, tanto de doen√ßas simples ou complexas; e a sa√ļde do cidad√£o tem de ser priorit√°ria.

A ci√™ncia tem trazido muitas novidades para a √°rea da sa√ļde e alguns procedimentos podem ser question√°veis, dependendo dos valores pessoais ou coletivos. Temas candentes como aborto, eutan√°sia ou uso de c√©lulas tronco remetem a discuss√£o para uma condi√ß√£o de dilema. Em vista disso, uma nova ci√™ncia surgiu na d√©cada de 1970, chamada de bio√©tica, denominada √† √©poca de ‚Äúci√™ncia da sobreviv√™ncia humana‚ÄĚ.

A bio√©tica foi criada com a inten√ß√£o de unir o conhecimento biol√≥gico do ser humano com a sua humanidade e valores inerentes. De certo modo, os problemas ambientes s√£o derivados de decis√Ķes no qual n√£o se pensou na vida de todas as formas: humana, animal e ambiental. A degrada√ß√£o do trabalho e da exist√™ncia humana devido aos conflitos armados, a devasta√ß√£o ambiental em busca do lucro f√°cil e o desrespeito animal s√£o resultados da falta de princ√≠pio √©ticos. Mas temos de ser otimistas e ut√≥picos. Desejamos e vamos ver um mundo melhor e mais saud√°vel.

Por outro lado, o cidad√£o tamb√©m tem de agir de forma √©tica. Desde de coisas simples como recolher da rua as fezes de seu c√£o, uma vez que podem ser transmissoras de doen√ßas, quanto a√ß√Ķes mais complexas, e n√£o aparentemente ligadas √† condi√ß√£o de sa√ļde, como manter o seu ve√≠culo regulado para que n√£o polua ou cause acidentes.

Se ainda tiver d√ļvidas, encaminhe sua d√ļvida para o Centro de Informa√ß√£o sobre Medicamentos (CIM) do curso de Farm√°cia da UniSantos. O contato pode ser pelo e-mail cim@unisantos.br ou por carta endere√ßada ao CIM, avenida Conselheiro N√©bias, 300, 11015-002.