PUBLICIDADE

Santos / Sa√ļde

O uso dos medicamentos

Ainda que os recursos terap√™uticos para o controle das mazelas org√Ęnicas sempre tenham existido na hist√≥ria da humanidade, somente depois segunda grande guerra √© que os medicamentos assumiram as caracter√≠sticas e a import√Ęncia de como os concebemos nos dias de hoje. Atualmente, h√° muitos regramentos para que um produto seja aceito e utilizado como medicamento.

Nos dias de hoje, os medicamentos incorporam a evolu√ß√£o cient√≠fica de estudos profundos e tamb√©m se sujeitam √†s regras econ√īmicas da oferta e da procura e, obviamente, a do lucro. Os medicamentos consomem grandes valores financeiros familiares e dos governos e seu uso precisa ser otimizado. Para esse objetivo, h√° de se ter esfor√ßo dos profissionais da sa√ļde e dos usu√°rios.

Todo medicamento usado pode trazer benef√≠cios e tamb√©m, com certeza, alguns malef√≠cios. Sempre! A op√ß√£o pelo uso dos medicamentos ser√° quando os benef√≠cios forem superiores aos malef√≠cios. Outro aspecto importante √© a limita√ß√£o do benef√≠cio que um f√°rmaco pode trazer. Isso √© importante quando se pede mudan√ßas nos h√°bitos de vida e tamb√©m para diminuir a aura de ‚Äúmilagroso‚ÄĚ que um medicamento possa ter, de forma equivocada.

Outro aspecto que interfere na otimiza√ß√£o da terap√™utica medicamentosa √© a estrat√©gia de marketing realizada pelos laborat√≥rios farmac√™uticos. Cada novo lan√ßamento √© ‚Äúmais moderno‚ÄĚ, ‚Äúmais eficaz‚ÄĚ e ter√° ‚Äúmenos rea√ß√Ķes adversas‚ÄĚ. Tudo isso para justificar um custo maior. V√°rios estudos demonstram que alguns medicamentos j√° consolidados no mercado e que, normalmente, s√£o mais baratos, s√£o t√£o eficazes quanto os novos medicamentos lan√ßados. Assim, nem sempre se justifica a sua troca, a qual pode at√© ser exigida pelo paciente, pela cren√ßa n√£o fundamentada de que a substitui√ß√£o precisa ser feita.

Por outro lado, √© importante garantir o acesso aos medicamentos para boa parte da popula√ß√£o brasileira. Nesses tempos dif√≠ceis da economia do pa√≠s, muitas pessoas n√£o t√™m condi√ß√£o de compra. Alguns medicamentos fundamentais s√£o distribu√≠dos pelo poder p√ļblico e, muitas vezes, est√£o em falta. A sociedade precisa se movimentar e exigir que estejam dispon√≠veis.

O Centro de Informa√ß√Ķes sobre Medicamentos (CIM), do curso de Farm√°cia da UniSantos, est√° dispon√≠vel para solucionar suas d√ļvidas. O contato pode ser pelo e-mail cim@unisantos.br.

1descricao-paulo-lorandi-colunista-revista-mais-santos