PUBLICIDADE

Edição Semanal

Colégio Canadá, história e lembranças nos 87 anos de um gigante

Foi o interventor federal em São Paulo, Armando de Salles Oliveira (entre 1933/1935), quem criou o “Instituto de Educação Canadá” pelo Decreto nº 6.601, de 11 de agosto de 1934. Era a primeira escola estadual de ensino secundário em Santos, inicialmente conhecida como Ginásio do Estado (até os anos 1930, São Paulo tinha escolas nesse nível apenas na Capital, Campinas e Ribeirão Preto). O então “instituto” a princípio ocupou um modesto prédio na Avenida Ana Costa, de onde se transferiu em caráter provisório para o térreo da sede do Grupo Escolar Cesário Bastos, até a construção do prédio próprio inaugurado em 1935 na Rua Mato Grosso.
O prédio levantado pela Prefeitura Municipal de Santos, em terreno doado pela Companhia City, resistiu ao tempo (com adaptações e ampliações). Considerada de alto nível e referência para o ensino do Estado por décadas, a escola se destacava pela infraestrutura inovadora para a época, contando com biblioteca, salas e laboratórios de Química, Física, Desenho e um teatro com 200 lugares.
As vagas da Escola Estadual Canadá eram sempre concorridas, inclusive pela elite da época (era de origem pública, a despeito dos colégios particulares) e se tornou conhecida pelos muitos alunos – hoje famosos – que passaram por lá, como o escritor Pedro Bandeira; o ministro-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Antonio Cezar Peluso; os atores Cacilda Becker e Ney Latorraca; além do ex-ministro Aloizio Mercadante e da ex-prefeita santista Telma de Souza, entre outras tantas celebridades.
Na semana em que completou 87 anos, a Mais Santos revisitou essa história que inclui mestres ilustres e hoje dão nome a outras escolas tradicionais da Cidade (Avelino da Paz Vieira, José Carlos Azevedo Jr., Mário de Almeida Alcântara, Antonio Demósthenes de Souza Brito, Paulo Filgueiras Jr., entre outros), ouvindo ex-alunos e suas lembranças. (AMF)


PUBLICIDADE