PUBLICIDADE

Edição Semanal

COMBATE A VIOLÊNCIA

O governo Tarcísio de Freitas trocou esta semana 34 coronéis da Polícia Militar de São Paulo. A mudança em massa da cúpula da PM inclui a exoneração do subcomandante, o segundo cargo mais importante da corporação. No lugar do “número 2” exonerado (José Alexander de Albuquerque Freixo) entrou o coronel José Augusto Coutinho, que comandava a Tropa de Choque.
O procurador-geral de Justiça, Mario Sarrubbo, criou, também nesta semana, o Projeto Especial Operação Verão no Ministério Público de São Paulo (MPSP) para acompanhar esta Operação na Baixada Santista. A princípio, uma equipe de membros do MP-SP, irá acompanhar os casos por seis meses. Será uma atuação emergencial para a análise dos confrontos que têm acontecido na Baixada Santista desde a morte do PM da Rota Samuel Wesley Cosmo e o expressivo número de mortes.

Na resolução que instituiu o projeto ele afirma que “a quantidade expressiva de ocorrências (mais de 50 mortes – somando as ocorrências da Operação Escudo), configura circunstância emergencial e pressupõe a necessidade de se fomentar uma atuação diferenciada, contemplando, dentre outras medidas, a instauração de um PIC – Procedimento Investigatório Criminal – para cada evento, o que poderia comprometer a regular atuação dos órgãos de execução”.

Na publicação do Ministério é descrito que esta iniciativa será voltada “a acompanhar a situação emergencial na Baixada Santista e assegurar a efetividade do controle externo da atividade policial pelo Ministério Público, a observância dos direitos fundamentais e a coleta eficiente de provas para esclarecimento da prática de crimes contra civis e policiais, visando à adequada reação estatal”.

 


PUBLICIDADE