PUBLICIDADE

Regi√£o / Cotidiano

Mulherio das Letras: a união das mulheres através da literatura

Por Silvia Barreto
Da Redação Mais Santos

A for√ßa e a organiza√ß√£o das mulheres s√£o demonstradas, tamb√©m, pelas palavras. Criado em 2017, o Coletivo Mulherio das Letras √© um movimento liter√°rio feminino composto inicialmente por escritoras que participavam de feiras liter√°rias e que, atualmente, re√ļne cerca de 8 mil participantes com obras publicadas n√£o apenas no Brasil, mas em outros pa√≠ses como Portugal, Alemanha, Estados Unidos, Su√≠√ßa e Fran√ßa.

A santista e escritora Maria Val√©ria Rezende ficou respons√°vel por reunir o grupo e, pelas redes sociais, engrossou o movimento. “Em menos de uma semana j√° eram 500 mulheres entre poetas e escritoras infantis, juvenis, cronistas, poetisas, roteiristas. O primeiro encontro aconteceu em Jo√£o Pessoa, na Para√≠ba. O grupo saltou de 500 para 8 mil mulheres. Temos 8 mil mulheres que escrevem no Brasil todo e fora do Pa√≠s. Temos n√ļcleos regionais em v√°rios estados e tamb√©m n√ļcleos em Portugal, Alemanha, Estados Unidos, Su√≠√ßa e Fran√ßa”, descreve Vanessa Ratton, escritora e coordenadora do n√ļcleo Mulherio das Letras Baixada Santista, com participa√ß√£o na esfera nacional.

Elas se definem como um movimento liter√°rio feminista, tendo como objetivo dar visibilidade para a autoria feminina, permitindo que as mulheres escritoras possam fazer troca entre elas, utilizando as rodas de conversa para compartilharem experi√™ncias e com encontros anuais. Participam tamb√©m mulheres negras, ind√≠genas, asi√°ticas e as brancas, al√©m do n√ļcleo LGBT+

Booktim

No pr√≥ximo dia 30, a partir das 17h, elas lan√ßam o Booktim – papo de bar na mesa da Livraria, com a participa√ß√£o das fundadoras do Movimento Maria Val√©ria Rezende e Vanessa Ratton. Elas ir√£o lan√ßar Encontros √† Hora Morta, obra juvenil que fala das lendas e fantasmas de Santos. “A ideia √© que, a cada dois meses, vamos trazer outras autoras para fazer esse encontro, lan√ßando livro e falando de literatura”, projeta Vanessa.

Este livro re√ļne 13 contos, que abordam a hist√≥ria dos fantasmas de mulheres que foram assassinadas ou violentadas e dos ambientes da cidade supostamente assombrados, como a Santa Casa de Miseric√≥rdia, o Teatro Br√°s Cubas e o navio Raul Soares. Al√©m disso, o livro tamb√©m apresenta lendas mais contempor√Ęneas e nacionais, como a da Loira do Banheiro. Ao mesmo tempo em que narram hist√≥rias sobre o sobrenatural, os contos tamb√©m mostram exemplos de persegui√ß√£o pol√≠tica durante o per√≠odo da ditadura e casos de viol√™ncia contra a mulher, motivados por valores morais, sociais e pol√≠ticos.

“N√£o √© s√≥ um relato. √Č uma hist√≥ria mesmo com os personagens. Tudo √© interligado e, no final, voc√™ vai entender porque todos os fantasmas est√£o ali. Foi uma hist√≥ria bonita que nasceu no momento da pandemia, nem vacina tinha ainda, e n√≥s est√°vamos muito aflitas. Quer√≠amos deixar uma obra para a mem√≥ria da nossa cidade, falando da pandemia de uma forma mais leve, mas da import√Ęncia de quem sobreviveu, que teve a chance de tomar a vacina, e de hoje estar aqui, poder valorizar a sua vida e essa oportunidade, pois muitos se foram e n√£o tiveram a oportunidade dessa mesma escolha de poder se vacinar e se proteger”, ressalta Vanessa.

Na mesma oportunidade, a escritora Val√©ria lan√ßa a obra Rios de Sonhos. A produ√ß√£o traz a hist√≥ria de Paulo, um jovem pernambucano prestes a ingressar na universidade que se v√™ obrigado a lidar com as press√Ķes familiares sobre suas escolhas profissionais. Nascido em cidade pequena, decide passar uma noite √†s margens do rio S√£o Francisco antes de prestar os exames vestibulares. Durante a madrugada, ele acaba salvando a vida de Iara ‚ÄĒ que tamb√©m √© respons√°vel pelo salvamento de Paulo, pois √© ao lado dela que Paulo recupera a liga√ß√£o com seu lugar de origem e descobre o custo do progresso para os povos tradicionais do pa√≠s.

J√° a escritora Vanessa ir√° lan√ßar seu primeiro romance: Quando a Lua √© Cheia. “A obra juvenil mistura trama policial com sobrenatural numa s√©rie de assassinatos misteriosos em Serra da Saudade, no interior de Minas Gerais, a menor cidade do Brasil. Selecionada para o PNLD do MEC, para o Ensino M√©dio, a trama provoca o confronto entre um temido delegado e uma corajosa estudante de jornalismo, que busca se projetar em sua carreira, ao fazer a cobertura dos crimes, sem saber que o destino far√° com que tome uma decis√£o capaz de mudar sua vida para sempre. A batalha pessoal da jovem resultar√° na revela√ß√£o de um dos maiores mist√©rios da vida: o quanto h√° de verdade nas lendas que assombram a humanidade? E ainda: a Lua pode realmente influenciar os seres humanos como faz com a natureza? “, relata Vanessa.

Crimes, mist√©rio e romance se misturam nesta envolvente trama, com Ilustra√ß√Ķes de Marcela Pialarissi, projeto gr√°fico de La√≠s Garbeline e Revis√£o de Rosana Rios, editado por M√°rcia Paganini e C√°ssia Leslie, publicado pela Pantograf Editora.

Leitores e convidados podem tomar cerveja e bater papo na mesa da livraria Realejo, no Gonzaga, Rua Marechal Deodoro, 02, em Santos.

Essa ação será um preparativo para o encontro anual do grupo, programado para acontecer nos dias 25, 27 e 27 de novembro, em João Pessoa. Em 13 de agosto, em Santo André, o grupo estará na Alpharrabio Livraria e Editora.

Perfis

Entre as obras produzidas por Vanessa Ratton estão livros infantis: O Ratinho que não gostava de queijo; Nos mares do mundo; Uma Menina Detetive e a Máfia Italiana; Um dia de Paz; O Coração da Selva e O Sapo não lava o pé?.

A escritora, integrante do Mulherio das Letras Indígenas, descente desses povos, pretende lançar um e-book com escritoras indígenas de todo o Brasil. A organização desse material tem sido realizado em conjunto com a Eva Potiguara.

Maria Val√©ria Rezende √© formada em L√≠ngua e Literatura Francesa, Pedagogia e mestre em Sociologia, dedicou-se, desde os anos 1960, √† Educa√ß√£o Popular, em diferentes regi√Ķes do Brasil e no exterior, tendo trabalhado em todos os continentes.

Desde 2004, ela participa do Clube do Conto da Para√≠ba, que a estimulou a continuar a escrever fic√ß√£o. O seu romance ‚ÄúO voo da guar√° vermelha‚ÄĚ (Ed. Objetiva, 2005) foi publicado em Portugal, Fran√ßa e teve duas edi√ß√Ķes em Espanha (espanhol e catal√£o). Participa em v√°rias colet√Ęneas no Brasil, Argentina, It√°lia, Fran√ßa, Estados Unidos da Am√©rica e Portugal.

Escreve fic√ß√£o, poesia e √© tamb√©m tradutora. Ganhou um Jabuti em 2009, Categoria Infantil, com a obra ‚ÄúNo risco do caracol‚ÄĚ (Ed. Aut√™ntica, 2008) e, em 2013, na Categoria Juvenil, outro Jabuti com o romance ‚ÄúOuro dentro da cabe√ßa‚ÄĚ (Ed. Aut√™ntica, 2012). Os Jabutis para Melhor Romance e Livro do Ano de Fic√ß√£o chegaram em 2015, pelo seu romance ‚ÄúQuarenta Dias‚ÄĚ (Ed. Alfaguara, 2014). Seu √ļltimo romance ‚ÄúOutros Cantos‚ÄĚ (Ed. Alfaguara, 2016) valeram-lhe o Pr√™mio Casa de las Am√©ricas (Cuba, 2017), o Pr√™mio S√£o Paulo de Literatura e o terceiro lugar no Pr√™mio Jabuti 2017.

Foto: Divulgação