PUBLICIDADE

Regi√£o / Cotidiano

Vereador de Bertioga passa a ser réu em ação penal por se recusar a ler projeto em prol de pessoas LGBTQIA+

Ap√≥s den√ļncia da promotora Joicy Romano, do Minist√©rio P√ļblico de S√£o Paulo (MPSP), o vereador Eduardo Pereira (PSD), de Bertioga, se tornou r√©u na a√ß√£o penal movida pelo √≥rg√£o, respondendo ainda por homofobia.

Para a promotora, o vereador “incitou a discrimina√ß√£o e estimulou a hostilidade contra o grupo LGBTQIA+, praticando discrimina√ß√£o penalmente t√≠pica diante da externaliza√ß√£o de ideias de inferioriza√ß√£o, avers√£o, segrega√ß√£o e intoler√Ęncia, raz√£o pela qual a conduta encontra subsun√ß√£o no crime de racismo”.

Durante a sess√£o ordin√°ria realizada na C√Ęmara de Bertioga, no dia 21 de maio, o vereador se recusou a ler os textos que faziam refer√™ncia ao programa Respeito Tem Nome, voltado √† promo√ß√£o da cidadania de pessoas LGBTQIA+. De acordo com o MPSP, ele ainda fez discurso de √≥dio contra esse segmento da sociedade, retirando-se da sess√£o.

Na √©poca dos fatos o vereador disse que percebeu que o projeto foi passado a ele por sua ‚Äúposi√ß√£o de crist√£o‚ÄĚ, e decidiu n√£o fazer a leitura. ‚ÄúDeus ama a todos e eu tamb√©m, mas estou no meu direito de n√£o ter feito a leitura‚ÄĚ, afirmou. ‚ÄúNem fiz cr√≠ticas ou alguma considera√ß√£o‚ÄĚ disse.

Foto: Divulgação