PUBLICIDADE

Santos / Cotidiano

Agentes fazem novo mutir√£o contra a dengue em Santos nesta quarta

Uma equipe de 30 agentes de combate a endemias de v√°rias partes de Santos concentrar√° esfor√ßos, nesta quarta-feira (12), das 9h √†s 17h, na elimina√ß√£o de criadouros do mosquito Aedes aegypti no Estu√°rio. O bairro se encontra em estado de alerta pela Secretaria de Sa√ļde, devido √† captura de f√™meas nas armadilhas espalhadas pela Prefeitura nas √ļltimas quatro semanas.

A quantidade de fêmeas do Aedes aegypti capturadas pelas armadilhas em cada quadra da Cidade é dividida pelo total de armadilhas instaladas na localidade. Essa conta gera o índice médio de captura de fêmeas (Imfa), que é o indicador utilizado para medir a densidade do Aedes aegypti.

‚ÄúNo Estu√°rio, quatro quadras apresentam valor superior a 1. Por√©m, acima de 0,6 j√° consideramos situa√ß√£o cr√≠tica. Embora o bairro tenha somente um caso de dengue registrado neste ano, vamos concentrar os esfor√ßos para diminuir o √≠ndice de infesta√ß√£o do mosquito e, consequentemente, o risco de transmiss√£o das doen√ßas‚ÄĚ, explica Ana Paula Valeiras, chefe do Departamento de Vigil√Ęncia em Sa√ļde.

Em virtude da pandemia de Covid-19, as vistorias são realizadas apenas nas áreas externas das casas e nas áreas comuns dos condomínios.  Além disso, os profissionais usam máscara, luvas e álcool em gel 70%. Todos são identificados com uniforme (colete verde) e crachá.

Este ser√° o 12¬ļ mutir√£o realizado pela Secretaria de Sa√ļde neste ano. Nas a√ß√Ķes anteriores, 596 focos com larvas de mosquito foram eliminados pelos agentes.

Em rela√ß√£o √†s doen√ßas transmitidas pelo Aedes aegypti, Santos contabiliza 108 casos de dengue e 22 de chikungunya. N√£o h√° registro de zika neste ano. O √ļltimo caso de febre amarela urbana no Brasil ocorreu na d√©cada de 1940.