PUBLICIDADE

Santos / Economia

Comércio da Baixada Santista mistura otimismo e cautela na liberação de restrições ao setor no Estado

Da Redação

O comércio da Baixada Santista comemora o decreto que libera horário de funcionamento e ocupação em todo o Estado. Cada cidade, no entanto, é livre para estabelecer suas particularidades

O governador João Doria havia anunciado a intenção em 28 de julho pelo avanço crescente da vacinação contra a Covid-19, a redução do número de internados e demais dados ligados à doença. Doria, porém, lembrou que prosseguem os cuidados sanitários, como uso de máscara, álcool gel e distanciamento social.

“A gente esperou por alguns meses este dia. Às vezes a gente achava que não ia chegar, mas chegou”, afirma Heitor González, presidente do Sinhores (Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares da Baixada Santista e Vale do Ribeira).

Apesar da empolgação presente no discurso, González ainda prefere alia otimismo e cautela para falar deste novo momento em meio à pandemia.

“Por um lado, vemos com otimismo vendo a vacinação andando a contento, que a ocupação dos hospitais tem caído sucessivamente e que a gente espera que teremos uma entrada de temporada excecpcional, a partir de setembro, porque poucas pessoas podem viajar ou estáo temerosas para andar de avião mesmo em viagens internas no Brasil. Isso faz com que haja procura muito grande da nossa região para passar verão, feriados e fins de semana”, comenta o presidente do Sinhores.

“Ao mesmo tempo, temos recomendado aos restaurantes, bares e hoteis muita cautela. É uma flexibilização de certa forma psicológica porque não vai mudar grande coisa, desde que se siga o que tem que ser seguido, continuando com os protocolos, higienização na chegada, o que é muito importante, o uso da máscara e o distanciamento entre mesas, por exemplo”, completa González.

O mandatário do Sindicato lembra que, em razão desse distanciamento, a ocupação não vai ser de 100%, não se alterando totalmente o quadro, já que as liberações não contemplam certos pontos que dizem respeito aos protocolos sanitários. “Nos hoteis, deve continuar em 80%, caso seguido, e em bares, 70&, pois a limitação entre uma mesa e outra tem que ser de 1,5 metro, enquanto antes era de 70, 80 centímetros”.

Presidente do Sindicato do Comércio Varejista da Baixada Santista, Omar Abdul Assaf esbanja alegria com essa nova fase para o comércio na Região, destacando a criação de vagas no mercado de trabalho.

“Esperamos que, com essa liberdade e segurança nos protocolos, possamos retomar a atividade normal e voltar a gerar riquezas para a Baixada Santista. Vão voltar a abrir mais lojas e gerar mais empregos, já que o comércio é o maior empregador da Região”, afirma.

Foto: Divulgação/Arquivo