PUBLICIDADE

Santos / Esporte

Nadador da Unisanta se torna medalhista após um ano do Pan-Americano no Peru

 - REVISTA MAIS SANTOS

Da Redação

O Brasil tem novo medalhista de bronze pan-americano, depois de um ano da competição. É Victor Colonese, atleta da seleção brasileira e da Unisanta. Ele havia terminado em quarto lugar a prova de 10 km nos Jogos Pan-Americanos de 2019 em Lima, no Peru. Porém, no início desta semana houve a confirmação de doping do medalhista de prata, o argentino Guillermo Bertola. Isso tirou dele o segundo lugar fazendo o brasileiro sair da quarta para ocupar a terceira colocação.

Segundo a Federação Internacional de Natação (Fina), Bertola teria feito uma transfusão de sangue 2018. O procedimento é considerado ilegal se não tiver uma orientação médica. Ele alegou estava num estado anêmico e se sentindo muito mal alguns dias antes de uma disputa em fevereiro de 2018. Por indicação, decidiu fazer uma transfusão de sangue e dias depois, venceu a prova.

De acordo com a decisão, ele vai precisar reembolsar toda a premiação das temporadas de 2018 e 2019. Todos os seus resultados foram anulados incluindo o vice-campeonato do Grand Prix de Águas Abertas da FINA, a medalha de prata do Campeonato Sul-Americano na prova dos 10 km de 2018, e a mais importante, a prata dos Jogos Pan-Americanos de Lima, ano passado. O argentino está com 30 anos de idade e mesmo assumindo a responsabilidade do erro levou a punição máxima da FINA.

O brasileiro já esperava esta decisão desde o início deste ano. “A gente ficou sabendo no final de janeiro, início de fevereiro, sobre a possibilidade dessa reviravolta na medalha do Pan. Independente de qualquer coisa, eu fiz o meu melhor na prova. Saí de lá com a cabeça sabendo que eu tinha feito o meu melhor. Fiz a prova que eu queria, cometendo alguns erros, mas, analisando a minha prova, eu não mudaria nada”, disse Colonese.

“A quarta colocação era o segundo melhor resultado do Brasil na história do Pan (o melhor era o terceiro lugar de Allan do Carmo, em 2007). Agora igualei e estou muito feliz. Essa medalha veio em um momento difícil pelo qual estamos passando, então dá uma motivação a mais para a gente treinar e lembrar do nosso foco”, concluiu.

Além do Pan, em 2019 Colonese também representou o país no Mundial de esportes aquáticos, na Coreia do Sul. Neste ano, ele iria disputar a seletiva para a Olimpíada de Tóquio.

Foto: Reprodução