PUBLICIDADE

Santos / Trânsito

Obras do VLT chegam ao Centro de Santos e novos passos são discutidos pelo Poder Público

Da Redação

As obras da segunda fase do VLT em Santos estão chegando no Centro da Cidade. E isso, naturalmente, causa uma série de implicações, como em outros bairros, porém de maneira ampliada, em razão do grande movimento.

As obras mais fortes em ruas essenciais para a região e o futuro transporte, casos da João Pessoa e da Amador Bueno, devem ter início no final de maio, lembrou Antônio Carlos Silva Gonçalves, presidente da CET.

“Os comerciantes serão avisados, no mínimo, um mês antes disso para que possam se programar. O foco é na Amador Bueno, pois as calçadas dessa via são estreitas. A João Pessoa é larga, mas haverá uma intervenção forte também”, afirma. A intenção é que essas obras terminem até novembro, de modo a não impactar os comerciantes, em razão das vendas de Natal.

“Vamos começar outras obras e avançar com as demais. Para isso, a gente precisa fechar com a Prefeitura (de Santos), dentre outros assuntos, qual frente será aberta”, afirma Paulo Galli, secretário de Transportes Metropolitanos. “Queremos fazer da maneira mais rápida possível e que intefira o mínimo possível na vida das pessoas, ainda mais em uma região tão adensada”, emenda.

O secretário esteve em Santos na manhã desta terça-feira (12) e tratou desses avanços das obras em encontro com o prefeito Rogério Santos.

“Temos uma reunião agendada amanhã com os técnicos (na EMTU, em São Paulo) e, com mais elementos, teremos um cronograma mais exato do que ocorrerá nas próximas etapas. Não é simplesmente colocação do VLT. Envolve drenagem, interdições de ruas e questões de rede elétrica. Tudo isso tem que andar junto”, explica o prefeito.

Galli observou que, no total das obras, já foi avançado mais de 20%. O ritmo ficou diferenciado, segundo o secretário de Transportes Metropolitanos, porque o número de trabalhadores foi mais do que duplicado. Além disso, negocia-se o horário estendido para as intervenções.

“É bom destacar também que 40% da drenagem e 25% do esgoto já foram executados. São trabalhos fundamentais. Não aparecem, mas são estruturantes para a população e feitos de maneira rápida para que não haja enchentes. Por isso é fundamental o prazo de novembro, dezembro”, detalha. Desapropriações também estão sendo discutidas para que os terrenos abriguem estações do VLT.

Fotos: Isabela Carrari/Divulgação Prefeitura Municipal de Santos e Ted Sartori