PUBLICIDADE

Santos / Porto

Integra√ß√£o e novos neg√≥cios marcam 1¬ļ ano da parceria com Roterd√£

Quase um ano após firmar parceria com o Porto de Roterdã, o Porto do Pecém já começa a colher bons frutos do acordo com os holandeses. Segundo Duna Uribe, diretora executiva Comercial do Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp S.A), pelo menos três pontos principais marcaram o período: a integração do Porto com a Zona de Processamento de Exportação (ZPE) e o Complexo Industrial, os novos negócios e mudanças em processos.

“A gente tem focado em organizar a casa e, hoje, a Cipp est√° passando por um momento de integra√ß√£o, ou seja, de expans√£o do escopo da antiga Cear√°portos, olhando para o Complexo Industrial e agregando a ZPE, que √© 100% subsidi√°ria da Cipp S.A. Foi um ano de muitas mudan√ßas. N√≥s estamos fazendo mapeamento de processos, nos profissionalizando, colocando indicadores de performance dentro da empresa e tendo uma abertura entre Roterd√£ e Pec√©m para a gente alavancar o know how deles aqui”, afirma ela, que participa at√© hoje do XIV Semin√°rio Internacional de Log√≠stica (Expolog), no Centro de Eventos.

A diretora executiva ainda diz que o ano tamb√©m foi um per√≠odo de melhorias internas, como no Departamento Comercial, onde lidera. “N√≥s fizemos uma segmenta√ß√£o onde cada tipo de carga tem uma pessoa respons√°vel por aquele segmento, se tornando um especialista. Temos uma pessoa para o segmento e√≥lico e renov√°veis, de cont√™ineres, gran√©is s√≥lidos, entre outros”.

A Zona de Processamento de Exporta√ß√£o ganhou neste ano uma aten√ß√£o especial dos novos acionistas. Uribe destaca a cria√ß√£o de uma ger√™ncia de novos neg√≥cios industriais e ZPE. “N√≥s vamos lan√ßar a expans√£o da ZPE 2, ent√£o isso quer dizer que teremos mais infraestrutura para as empresas exportadoras que podem aproveitar os benef√≠cios”.

Uribe afirma tamb√©m que a Cipp S.A est√° se preparando para grandes investimentos em infraestrutura. Ela cita o parque de tancagem e a conclus√£o da Transnordestina. “A gente est√° numa fase de muita transi√ß√£o para novos mercados que v√£o totalmente mudar o perfil do Porto e do Complexo. N√≥s estamos nos preparando para grandes investimentos, como o parque de tancagem e o projeto da Transnordestina com o terminal de gran√©is, t√©rmicas, entre outros”, refor√ßa.

Segundo ela, a chegada da Transnordestina vai proporcionar aumento da inter-l√Ęndia – zona de influ√™ncia terrestre que cada porto possui. “A infraestrutura gera desenvolvimento e a ferrovia viabiliza novos mercados, que at√© ent√£o n√£o foram pensados, como a interioriza√ß√£o de combust√≠veis por ferrovia, importa√ß√£o de fertilizantes por modal ferrovi√°rio”.

A Cipp S.A tem concentrado esfor√ßos em fazer o projeto da Transnordestina se tornar realidade. “A nossa atua√ß√£o √© muito mais voltada ao terminal mar√≠timo da Transnordestina. Por√©m, uma coisa est√° conectada a outra. A concess√£o da ferrovia √© uma condicionante para n√≥s termos um terminal dela l√°. Temos toda uma interlocu√ß√£o com o Governo Federal para acompanhar a concess√£o”, ressalta.

Resultados

Na opinião de Uribe, ainda é cedo para dizer se a parceria com Roterdã já está surtindo efeitos na movimentação de cargas do porto. A executiva reforça que muitas mudanças foram implementadas, mas o sucesso dos resultados ainda é efeito das medidas implementadas pela Cearáportos.

“Em termos de movimenta√ß√£o, a gente espera finalizar o ano com aumento de 5% a 8% de carga, em termos de toneladas movimentadas. Acho que ainda √© fruto da gest√£o passada “, pondera.

Um dos resultados da parceria √© a nova linha do Pec√©m aos portos do Mediterr√Ęneo da MSC. “Ela come√ßou a operar neste ano e n√≥s estamos trabalhando para atrair uma nova linha com uma conex√£o direta para a √Āsia. Esse √© o nosso foco comercial na parte de conectividade mar√≠tima”.

Para Daniel Soares, gerente da MSC, os resultados das duas rotas que a operadora tem no Pec√©m s√£o positivos. Ele diz que as oportunidades para abrir uma nova rota para a √Āsia est√£o sendo observadas. “Hoje, abriu-se o mercado de frutas para a China e isso √© importante. Claro que estamos antenados e observando esses espa√ßos para quem sabe trabalhar essa linha”.

 

 

Fonte: Portos e Navios