PUBLICIDADE

Santos / Porto

Movimenta√ß√£o de navios, trens e caminh√Ķes de carga segue normal no pa√≠s

Ministros da Agricultura de diversos pa√≠ses da Am√©rica do Sul participaram nesta ter√ßa-feira, 23, a convite da ministra brasileira Tereza Cristina, de uma videoconfer√™ncia para debater a harmoniza√ß√£o de normas e garantir a fluidez do tr√Ęnsito de mercadorias e o abastecimento de alimentos na regi√£o durante a pandemia do coronav√≠rus. Ser√° elaborado um documento com protocolos para garantir o livre tr√°fego do transporte rodovi√°rio de cargas entre os pa√≠ses.

Todos os ministros afirmaram que o fechamento de fronteiras rodovi√°rias para passageiros de outros pa√≠ses n√£o se estende aos motoristas que transportam cargas agropecu√°rias. ‚ÄúTemos a grande responsabilidade de garantir o abastecimento e a manuten√ß√£o das cadeias de alimentos, do produtor at√© o consumidor final‚ÄĚ, disse Tereza Cristina.

J√° em pa√≠ses da Europa e √Āsia, h√° navios esperando at√© 14 dias para atracar. A Organiza√ß√£o Mar√≠tima Internacional (IMO) informou que a situa√ß√£o pode melhorar nesta semana com a proibi√ß√£o das embarca√ß√Ķes com passageiros, j√° que as empresas v√£o se concentrar nas cargas. Al√©m disso, conta a favor o fato de a China estar retomando os trabalhos nos portos. Por l√°, a epidemia do coronav√≠rus perde for√ßa a cada dia desde ter√ßa‚Äďfeira passada, 17. Ainda assim, a OMI pede que importadores e exportadores prestem aten√ß√£o ao comercializar cargas para evitar preju√≠zos com os navios parados.

Aqui no Brasil, o Porto de Santos, o principal do pa√≠s, informou por meio de boletim divulgado nesta ter√ßa que opera normalmente. A movimenta√ß√£o de navios, trens e caminh√Ķes ocorre sem qualquer restri√ß√£o. Os trabalhadores passaram por adapta√ß√Ķes de acordo com os crit√©rios estabelecidos pelas autoridades de sa√ļde.

De acordo com Francis Censi, gerente de Log√≠stica Agropecu√°ria da Seara, o compromisso dos caminhoneiros com o transporte de cargas continua durante a epidemia do coronav√≠rus. ‚ÄúEst√° prevalecendo o bom senso. N√£o h√° restri√ß√Ķes e o transporte flui normalmente no pa√≠s. Os transportadores de log√≠stica agropecu√°ria trabalham exclusivamente para as empresas integradoras fazendo o transporte dos animais e do alimento dos animais de maneira rotineira, s√£o frotas dedicadas. O abastecimento dos animais e tamb√©m da popula√ß√£o n√£o pode ser interrompido. Produzir e distribuir alimentos √© essencial para promover a prote√ß√£o √† vida. Os motoristas s√£o agentes que precisam se manter firmes, protegendo sua sa√ļde e das pessoas que est√£o pr√≥ximas para poder efetuar sua tarefa t√£o nobre de maneira consistente e sem riscos. Distribu√≠mos cartilhas com informa√ß√Ķes e tamb√©m kits de higiene pessoal. A cada carga e descarga, refor√ßamos que devem lavar as m√£os e evitar contato f√≠sico, e pedimos que as cabines dos ve√≠culos sejam lugares ainda mais seguros. A manopla de marcha, o volante e os bot√Ķes devem ser higienizados sempre que poss√≠vel‚ÄĚ, disse Censi.

A import√Ęncia da produ√ß√£o aliment√≠cia durante a pandemia
‚ÄėSem p√Ęnico‚Äô. Confira as dicas de avicultor para enfrentar a pandemia
Jos√© Ant√īnio Ribas, gerente de Excel√™ncia Agropecu√°ria da Seara, tamb√©m afirmou que o transporte de cargas n√£o foi afetado e que a distribui√ß√£o de alimentos no Brasil segue normal. ‚ÄúAgradecemos profundamente aos motoristas e transportadores pelo empenho durante a crise e pela consci√™ncia de tomarem todos os cuidados para que possamos operar. Temos hoje a prote√ß√£o do decreto da ministra Tereza Cristina, que coloca nossa atividade como essencial, mas ainda esbarramos em pequenos problemas locais que vamos resolvendo caso a caso. T√£o importante quanto nosso motorista que est√° na estrada movimentando cargas, tanto de alimentos quanto de insumos, √© o funcionamento dos servi√ßos que atendem e d√£o suporte a ele. Precisamos unir for√ßas durante a crise, porque o trabalho dos caminhoneiros √© fundamental e eles v√£o precisar de apoio‚ÄĚ, declarou Ribas.

Neusa e Lucimar Baseggio, da cidade de Seara (SC), s√£o transportadores h√° mais de 27 anos. O casal enviou um v√≠deo ao Programa Ligados & Integrados afirmando que a interrup√ß√£o do trabalho dos motoristas traria consequ√™ncias para o pa√≠s todo. ‚ÄúTransportamos alimentos. Sabemos da gravidade do momento, mas estamos tomando todas as medidas para que nossos colaboradores estejam seguros‚ÄĚ, contou Lucimar.

 

 

Fonte: Canal Rural

Foto: Claudio Neves/Portos do Paran√°