PUBLICIDADE

Região / Polícia

Desembargador nega pris√£o tempor√°ria, e prefeito de Guaruj√° deve deixar P1 de S√£o Vicente

Da Redação

Atualizado às 12h30

O prefeito de Guarujá, Válter Suman, e o secretário de Educação, Marcelo Nicolau, devem deixar a Penitenciária I de São Vicente nas próximas horas. O desembargador federal Mauricio Kato proferiu decisão concedendo liberdade provisória mediante fixação de medidas cautelares alternativas. Os alvarás de solturas ainda estão sendo confeccionados.

Com o fim da cust√≥dia provis√≥ria impingida pela Pol√≠cia Federal, Suman permanece em suas atividades como prefeito de Guaruj√°, informa a Administra√ß√£o Municipal. Na decis√£o, foi considerado que “a priva√ß√£o da liberdade de locomo√ß√£o dos investigados mostra-se excessiva”.

‚ÄúDeixo de aplicar a suspens√£o do exerc√≠cio do cargo de Prefeito Municipal de Guaruj√°/SP, medida que interromperia o curso dos poderes que foram outorgados ao Prefeito pela popula√ß√£o (…) e poderia implicar risco de grave les√£o √† ordem p√ļblica e ao pleno exerc√≠cio da democracia, impedindo o exerc√≠cio de cargo ao qual V√°lter Suman foi legitimamente eleito”, complementa o desembargador.

Operação

Segundo a Polícia Federal, foram cumpridos 25 mandados de busca e apreensão nos municípios de Guarujá, São Bernardo do Campo, São Paulo e Nova Iguaçu/RJ. Participaram da deflagração 125 policiais federais e 6 auditores da CGU.

Dentre as medidas determinadas pela Justi√ßa Federal, est√£o o bloqueio de R$ 7.058.766,17 de bens e valores de envolvidos. Durante as buscas, foram apreendidos quase R$ 2 milh√Ķes em quatro endere√ßos relacionados aos investigados.

A Prefeitura de Guaruj√° se pronunciou sobre o caso, por meio de nota, na noite de sexta (17). De acordo com a Administra√ß√£o ‚Äúest√° tomando conhecimento das informa√ß√Ķes coletadas pela Pol√≠cia Federal e Tribunal de Contas da Uni√£o e esclarece que os procedimentos administrativos relativos √† aplica√ß√£o dos repasses Covid, e tamb√©m ao custeio do hospital de campanha, tiveram seus tr√Ęmites pautados na legalidade e na transpar√™ncia, conforme manda a legisla√ß√£o, e est√° colaborando com as apura√ß√Ķes‚ÄĚ.

Al√©m disso, sobre os contratos de gest√£o firmados com a Organiza√ß√£o Social (OS) Pr√≥ Vida, a Prefeitura explica que ‚Äúprocedeu com sua desqualifica√ß√£o e, em seguida, a Advocacia Geral do Munic√≠pio ingressou com a√ß√£o civil p√ļblica com pedido liminar de indisponibilidade de bens, quebra dos sigilos fiscal e banc√°rio de seus respons√°veis, h√° mais de 30 dias, al√©m de pedir ressarcimento aos cofres p√ļblicos por parte da OS e a devida responsabiliza√ß√£o civil. Al√©m disso, representa√ß√Ķes criminais foram protocoladas na Pol√≠cia Civil. A Administra√ß√£o Municipal segue tomando conhecimento de todos os fatos e colabora com as investiga√ß√Ķes‚ÄĚ.

Foto: Helder Lima/PMG/Arquivo