PUBLICIDADE

Região / Polícia

Polícia apreende mais de 600 celulares e peças usadas em operação no Guarujá

Os produtos estavam em duas lojas; ação investiga envolvimento na receptação de aparelhos furtados ou roubados.

 

Foto: Divulgação / SSP

Da redação

A Pol√≠cia Civil apreendeu cerca de 600 celulares e pe√ßas de reposi√ß√£o sem origem declarada em duas lojas que funcionam como assist√™ncia t√©cnica no Guaruj√°. A a√ß√£o policial ocorreu no s√°bado (10) e teve apoio dos agentes do Departamento Estadual de Investiga√ß√Ķes Criminais (DEIC) e membros do Grupo de Opera√ß√Ķes Especiais (GOE), que est√£o na regi√£o para refor√ßar a Opera√ß√£o Ver√£o, com objetivo de prevenir e reprimir crimes patrimoniais.

A equipe investigou estabelecimentos comerciais que atuam no ramo de assist√™ncia e troca de pe√ßas de celulares de maneira informal. Segundo a corpora√ß√£o, h√° ind√≠cios de poss√≠vel envolvimento na recepta√ß√£o de aparelhos celulares e outros eletr√īnicos furtados ou roubados.

Em um dos locais, no Jardim Praiano, os investigadores localizaram dezenas de peças, carcaças usadas e celulares pertencentes a terceiros. Os aparelhos estavam em um processo de reparo, com o uso de componentes usados. O proprietário não apresentou qualquer documento que atestasse a origem dos produtos e, por isso, foi conduzido à delegacia.

Al√©m disso, foram apreendidos diversos componentes que, segundo a Pol√≠cia Civil, ‚Äúclaramente s√£o provenientes do desmonte de aparelhos celulares de origem desconhecida‚ÄĚ.

Conforme a Polícia Civil, contra o estabelecimento, já havia o registro de um boletim de ocorrência por apreensão de celular identificado como produto de furto em Araraquara, no interior de São Paulo.

Em outra loja, na Vila Baiana, os policiais encontraram durante as diligências mais de 120 celulares e cerca de 500 acessórios, peças e carcaças de reposição usados para os aparelhos. O proprietário não apresentou documentação comprovando a origem do material.

Os objetos localizados nas duas ocorrências foram apreendidos e encaminhados para a perícia para identificação e individualização dos materiais, permitindo consultas detalhadas sobre a existência de pendências ou registros criminais.

Os dois propriet√°rios, de 23 e 43 anos, foram indiciados pelo emprego de componentes usados com base na lei n√ļmero 8.078/90, conforme prev√™ o C√≥digo de Prote√ß√£o e Defesa do Consumidor.