PUBLICIDADE

Santos / Cotidiano

Bonde Reboque 1 volta a circular na linha turística do Centro Histórico

Da Redação

Na semana do anivers√°rio de 476 anos de Santos, um patrim√īnio que simboliza uma era hist√≥rica da Cidade volta √† ativa, o Bonde Reboque 1. A partir deste s√°bado (29), o el√©trico retoma opera√ß√£o na linha tur√≠stica do Centro, ap√≥s minuciosa reforma que preservou suas caracter√≠sticas originais, com renova√ß√£o da estrutura.

O veículo é um exemplar genuinamente santista, fabricado pelo antigo Serviço Municipal de Transporte Coletivo (SMTC), há mais de 60 anos, como réplica do primeiro bonde a circular na Cidade, em 1875, para transporte de carga.

O retorno aos trilhos se dá com a acessibilidade ampliada. Agora pode transportar dois cadeirantes, quando antes comportava apenas um Рa capacidade geral do carro é de 24 passageiros.

A complexa empreitada envolvendo reboque 1 é mais um trabalho com a assinatura da equipe especializada da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET-Santos). A empresa é responsável pela reforma/restauro, manutenção e operação dos bondes da linha turística.

Desmonte e criação

Nas reformas anteriores, o reboque 1 recebeu v√°rias adequa√ß√Ķes, ganhando rampa para acessibilidade e freios a ar comprimido para maior seguran√ßa, entre outras melhorias. Desta vez, teve a parte estrutural totalmente refeita. Para isso, foi praticamente desmontado, num processo que exigiu o m√°ximo de cuidado e aten√ß√£o, para conhecimento em detalhes da engenharia do ve√≠culo.

“Com a an√°lise de cada parte desmontada e pesquisas sobre a √©poca da fabrica√ß√£o e as t√©cnicas utilizadas ent√£o, pudemos apurar que se trata de uma r√©plica constru√≠da na d√©cada de 1960, em que foram utilizadas pe√ßas originais de reboques das d√©cadas 1920 e 1930″, revela o engenheiro Marcos Rog√©rio Nascimento, gerente de manuten√ß√£o e servi√ßos da CET e coordenador da equipe.

O desmonte, associado √†s pesquisas, permitiu reproduzir fielmente a estrutura do ve√≠culo, refazer pe√ßas e at√© desenvolver outras. ‘Um exemplo foi que criamos uma nova pe√ßa para fixa√ß√£o das colunas dos bancos, o que vai dar mais estabilidade ao carro. Por isso, essa etapa toda se deu de forma muito cuidadosa e tudo com registro de fotos”, destaca ele. E comenta: “S√£o detalhes que o passageiro n√£o percebe, mas que trazem ganhos para a seguran√ßa e tamb√©m no que se refere √† manuten√ß√£o e preserva√ß√£o do bonde”.

Desafios

A cada etapa de desmontagem, surpresas e desafios surgiam, como quando da remo√ß√£o do forro da antiga capota, com a descoberta da madeira original entalhada. “Analisamos tudo e fizemos uma nova, exatamente igual √† antiga”, conta o marceneiro Vander Raitz. Num processo artesanal, houve a confec√ß√£o de uma ferramenta para a reprodu√ß√£o dos mesmos desenhos encontrados na velha cobertura.

Apontando para a capota rec√©m-refeita, ele n√£o esconde o orgulho pelo resultado geral da renova√ß√£o do carro. “Foi tudo muito trabalhoso”, diz ele, que esteve √† frente de outros projetos de reforma e restauro de bondes da linha tur√≠stica.

Na remontagem, o reboque ganhou novo assoalho, vigas de sustentação, bancos e acessórios de acabamento. Estrutura refeita, o veículo voltou à garagem dos bondes, no Valongo, onde outros profissionais da equipe entraram em ação para realizar a pintura e os acabamentos.

A reforma iniciou em março de 2019 e, além do trabalho detalhista que demandava tempo, seu andamento foi prejudicado pela epidemia de covid-19.

Saiba mais

Foi em 1871 que circulou o primeiro bonde em Santos, para servi√ßos de transporte de cargas ‚Äď os ve√≠culos para passageiros vieram em 1875. O sistema funcionou na Cidade por quase 100 anos e foi extinto como modal de transporte coletivo h√° 50.

Em princípio, os modelos reboque eram puxados por tração animal. Com o advento dos carros elétricos, passaram a ser atrelados a outro bonde e foram muito utilizados pelos operários da Cidade, pois tinham tarifa mais barata.

Em setembro de 2000, a Prefeitura criou a Linha Turística do Centro, que passa por diversos pontos de interesse histórico e cultural, em roteiro com monitoria de guia de turismo. Os elétricos em operação remontam ao início do século 20 e são procedentes de diversas partes do mundo. Os veículos que operam na linha turística fazem parte do Museu Internacional de Bondes de Santos, cujo acervo total soma 13 veículos. São carros de origem brasileira e de outras nacionalidades como Portugal, Itália e Japão.

Serviço

O passeio de bonde custa R$ 7 (ingresso comprado na cafeteria do Museu Pelé). Há isenção para crianças até 5 anos, desde que no colo, e guias de turismo em monitoria de grupo. O desconto de 50% vale para maiores de 60 anos, professores e estudantes. Pagamentos somente em dinheiro. A atração funciona de terça a domingo, das 11h às 17h.

Foto: Nathalia Filipe/Divulgação Prefeitura Municipal de Santos