PUBLICIDADE

Santos / Cotidiano

Morre Don Benê, nome importante da noite santista, aos 68 anos

Da Redação

Os fãs do samba e pagode, especialmente dos anos 1990, estão de luto. Morreu em São Paulo, aos 68 anos, Don Benê, um dos nomes importantes do gênero musical e autor, ao lado de Lucas Periquito, de músicas como Mina Moleque, interpretada pelo Grupo Tempero, além de um dos fundadores do Grupo Família. As apresentações de Don Benê e Banda Axé também marcaram época na noite santista

Informações preliminares dão conta de que ele havia saído de Santos havia alguns dias, para morar com a irmã. Ele teria passado mal à noite, foi ao PS e voltado para casa, onde tornou a sentir-se mal e, levado para o hospital, veio a óbito. Ele sofria com problemas como diabetes e pressão alta.

 - REVISTA MAIS SANTOS

Foto: Reprodução

Casado, deixa três filhos. “Tive um tempo grande com ele, como mulher e empresária. A gente fica muito abalada”, conta Lilian Cabral. Não há notícias sobre velório e sepultamento.

Dono de um suingue elogiável, com uma batida no violão bem característica. Dom Benê era muito querido por nomes do samba e do pagode, como Luiz Carlos, vocalista do Raça Negra.

“Ele era muito carismático, tinha uma batida no violão, no suingue, muito boa. Ele se estabeleceu por aqui e foi um dos grandes agitadores da noite santista. Teve uma casa noturna que abria às 23 horas e o povo chegava lá por volta das 3 da manhã, depois que todas as outras fechavam. Ia até o amanhecer”, lembra o músico Ricardo Peres. “Ele não estava mais em evidência, mas deixou uma marca importante”.

Foto: Reprodução/Facebook Conselho do Samba de Santos