PUBLICIDADE

Santos / Porto

Expansão vai dobrar capacidade de movimentação de terminal no Porto de Antonina

O Terminal Portu√°rio da Ponta do Felix (TPPF), localizado no Porto de Antonina, Litoral do Paran√°, iniciou uma nova fase do seu projeto de expans√£o que prev√™ investimentos de aproximadamente R$ 150 milh√Ķes para moderniza√ß√£o e amplia√ß√£o da infraestrutura existente.

A obra atual, j√° iniciada, prev√™ a constru√ß√£o de um novo armaz√©m para fertilizantes ‚Äď em √°rea 17 mil metros quadrados ‚Äď com capacidade para 120 mil toneladas de produto, interligado por correias transportadoras com os ber√ßos operacionais. Os investimentos nesta obra s√£o de R$ 70 milh√Ķes.

Esta √© mais uma etapa do projeto de moderniza√ß√£o e readequa√ß√£o do TPPF – com investimento de mais R$ 25 milh√Ķes para os pr√≥ximos 9 meses ‚Äď e que inclui a constru√ß√£o de um conjunto de silos verticais, para gr√£os, farelo e cereais. A obra j√° foi contratada e encontra-se na fase de mobiliza√ß√£o de pessoal e equipamentos.

Além disso, o projeto de desenvolvimento da estrutura portuária prevê a expansão do cais atracação em 170 metros.

Desde o in√≠cio das opera√ß√Ķes em Antonina, j√° foram investidos mais de R$300 milh√Ķes pelo TPPF, incluindo estruturas de armazenagem e equipamentos.

Mercado

O TPPF √© atualmente uma das principais op√ß√Ķes log√≠sticas para grandes produtores mundiais e importadores brasileiros de fertilizantes. Dentre eles, destaca-se a Uralkali, empresa russa que responde por 25% de toda a produ√ß√£o global de pot√°ssio, mat√©ria-prima para produ√ß√£o de fertilizantes, sendo a l√≠der mundial do segmento.

O CEO da empresa Uralkali no Brasil ‚Äď que al√©m de principal cliente √© acionista do terminal, Marcel Cisneros, conta que o a empresa est√° investindo h√° cerca de oito anos no TPPF.

‚ÄúCom a expans√£o, poderemos direcionar cada vez mais navios para o terminal de Antonina, gerando receita e renda para toda a cadeia log√≠stica‚ÄĚ, disse Marcel Cisneros.

Dragagem

A nova dragagem do canal de acesso ao porto de Antonina foi apontada pela empresa como determinante para que um maior n√ļmero de navios pudessem ser movimentados por meio do terminal paranaense.

‚ÄúA dragagem que est√° sendo feita pela Administra√ß√£o dos Portos de Paranagu√° e Antonina dever√° reestabelecer a profundidade do canal para 9,5 metros ainda este ano. Essa a√ß√£o somada com as atuais obras em andamento, permitir√° dobrar a capacidade de movimenta√ß√£o de graneis s√≥lidos, cereais, a√ß√ļcar ensacado, fertilizantes e carga geral pelo Porto de Antonina‚ÄĚ, explica Gilberto Birkhan, diretor presidente do TPPF.

N√ļmeros – Nos √ļltimos anos, o terminal aumentou a sua movimenta√ß√£o de 313 mil toneladas, para 1,6 milh√£o de toneladas de cargas por ano.
Apenas nos primeiros seis meses de 2019, o terminal de Antonina aumentou em 43% a sua movimentação de cargas, passando de 343 mil entre janeiro e julho de 2018, para 493 mil no mesmo período deste ano.
A expectativa do TPPF para este ano √© movimentar cerca de 1,7 milh√£o de toneladas de fertilizante, farelo de soja, cereais, a√ß√ļcar ensacado e cargas gerais.

Ap√≥s a conclus√£o da dragagem e das obras em andamento, a capacidade de movimenta√ß√£o do terminal dever√° saltar dos atuais 2 milh√Ķes de toneladas para 4 milh√Ķes de toneladas/ano.

Emprego e renda

O TPPF √© o √ļnico terminal em opera√ß√£o no Porto de Antonina, primeiro porto instalado no litoral paranaense, sendo o maior empreendimento respons√°vel pela gera√ß√£o de emprego e renda na regi√£o.

‚ÄúA amplia√ß√£o do Terminal fortalecer√° ainda mais o Porto de Antonina, a gera√ß√£o de emprego, renda e desenvolvimento econ√īmico‚ÄĚ, refor√ßa o diretor-presidente do TPPF, Gilberto Birkhan.

Segundo ele, todo o projeto de expansão do TPPF proporcionará mais de 500 novos empregos, sendo 260 postos de trabalho diretos e outros 240 empregos adicionais após a conclusão das obras.

 

 

Fonte: Portos e Navios

Foto: Divulgação/TPPF