PUBLICIDADE

Santos / Porto

Minist√©rio da Infraestrutura promete a√ß√Ķes para o Porto de Santos em junho

O Secret√°rio-Executivo, Marcelo Sampaio Cunha Filho, e o secret√°rio Nacional de Portos, Diogo Piloni, do Minist√©rio da Infraestrutura, estiveram em Santos na tarde desta sexta-feira (17) para acompanhar¬†os desafios enfrentados pelo principal porto da Am√©rica Latina. No local, os secret√°rios conheceram opera√ß√Ķes com cargas conteinerizadas, gran√©is s√≥lidos e l√≠quidos e cabotagem.

Para o Secret√°rio-Executivo Marcelo Sampaio, que enalteceu o crescimento¬†opera√ß√Ķes de cabotagem, a segunda quinzena de junho ser√° o prazo para o lan√ßamento de um programa de fomento √† navega√ß√£o dom√©stica. ‚ÄúTemos uma agenda com o Minist√©rio da Economia e estamos fechando alguns pontos antes de lan√ßar o programa‚ÄĚ, explicou. Sampaio afirmou que o Brasil tem uma produ√ß√£o significativa e que precisa de fretes competitivos.¬† ‚ÄúE a cabotagem tem mostrado valores abaixo dos de outros modais‚ÄĚ, comentou.

O secret√°rio Nacional de Portos, Diogo Piloni, afirma que ‚Äútemos na cabotagem um cen√°rio de transforma√ß√£o das alternativas log√≠sticas no pa√≠s‚ÄĚ. Piloni afirma que s√≥ no ano passado, a navega√ß√£o dom√©stica cresceu 18% e a meta √© triplicar esse percentual. ‚ÄúPara isso temos discutido uma s√©rie de a√ß√Ķes que passam pela desburocratiza√ß√£o do setor e outras medidas visando agilizar o tratamento dessa carga nos portos‚ÄĚ.

Foto: Divulgação

Quatro subsistemas

Sobre fluxo de cargas, o presidente da Autoridade Portuária de Santos, Casemiro Tércio Carvalho mencionou que é importante o equilíbrio de quatro subsistemas.

O primeiro se refere ao canal de navega√ß√£o. “N√£o se trata apenas de dragar. Existem problemas como os efeitos da passagem de navios de grande porte, a condi√ß√£o prec√°ria de cabe√ßos de amarra√ß√£o, mudan√ßas no sistema de amarra√ß√£o de navios e fiscaliza√ß√£o das condi√ß√Ķes das embarca√ß√Ķes que precisam ser equacionadas”.

Já o segundo subsistema envolve os berços de atracação. Tércio acredita ser necessário viabilizar uma quantidade maior de berços e criar uma regra de atracação mais justa, privilegiando a operação eficiente.

O terceiro subsistema envolve a armazenagem. Por isso a import√Ęncia dos arrendamentos j√° publicados. T√©rcio revela que neste ano a Autoridade Portu√°ria dever√° viabilizar alguns adensamentos e propor outras licita√ß√Ķes.

O quarto subsistema se refere aos acessos terrestres. ‚ÄúDevemos fazer uma revis√£o no contrato da Portofer visando investimentos, principalmente, na margem direita. Estamos falando de p√°tios ferrovi√°rios e pera ferrovi√°ria no Sabo√≥, terceira linha no Valongo, desvio ferrovi√°rio em Outeirinhos e outros dois acessos ferrovi√°rios no Macuco, visando aumentar a quantidade de carga‚ÄĚ, anunciou.

Investimentos

Esses investimentos v√£o ao encontro da meta passada pelo ministro Tarc√≠sio Gomes de Freitas de aumentar o n√ļmero de cont√™ineres transportados pelo modal ferrovi√°rio.

Tércio revelou, ainda, que está sendo discutido com o governo do Estado de São Paulo a possibilidade de um terceiro acesso no Sistema Anchieta/Imigrantes.

‚ÄúToda essa moderniza√ß√£o do Porto de Santos, que a gente chama de gest√£o 4.0, envolvendo novas tecnologias, mudan√ßas de processos focadas em tecnologia da informa√ß√£o, controles de automa√ß√£o e uma repagina√ß√£o da m√£o de obra portu√°ria da Baixada Santista para prepar√°-la para atender esta nova realidade portu√°ria, far√£o com que Santos seja visto n√£o s√≥ como o maior, mas como o melhor complexo portu√°rio da Am√©rica Latina‚ÄĚ, disse T√©rcio.