PUBLICIDADE

Estado / S√£o Paulo

Fapesp: Pesquisa investiga relação entre Covid-19 e insuficiência cardíaca

As aut√≥psias realizadas nos √ļltimos quatro meses em cerca de 70 pacientes diagnosticados com COVID-19 falecidos no Hospital das Cl√≠nicas da Faculdade de Medicina (FM) da¬†Universidade de S√£o Paulo¬†(USP)¬†revelaram que alguns deles morreram, principalmente, em raz√£o de altera√ß√Ķes cardiovasculares causadas pelo novo coronav√≠rus (SARS-CoV-2) e n√£o por insufici√™ncia pulmonar.

Os pesquisadores investigam agora o mecanismo de a√ß√£o do v√≠rus que provoca, al√©m de les√Ķes epiteliais em praticamente todos os √≥rg√£os, altera√ß√Ķes na micro e macrocircula√ß√£o.

‚ÄúJ√° sabemos como o v√≠rus se distribui por √≥rg√£os como o c√©rebro e os rins, al√©m das gl√Ęndulas salivares e g√īnadas, por exemplo, e que ele¬†chega ao sistema nervoso central por meio do nervo olfat√≥rio. Queremos saber, agora, como o v√≠rus causa trombos na micro e macrocircula√ß√£o de forma muito mais exuberante¬†que a¬†do v√≠rus da influenza, por exemplo‚ÄĚ, disse Paulo Saldiva, um dos coordenadores do projeto, em um debate online sobre a situa√ß√£o da enfermidade no Brasil que ocorreu nesta segunda-feira (13), durante a ‚ÄúMini Reuni√£o Anual Virtual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ci√™ncia (SBPC)‚ÄĚ, em reportagem da¬†Ag√™ncia Fapesp.

O evento é uma versão online e reduzida da 72ª Reunião Anual da entidade, programada para o período entre 12 e 18 de julho, na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em Natal, mas cancelada em razão da pandemia de COVID-19.

Altera√ß√Ķes cardiovasculares

De acordo com Saldiva, entre os pacientes diagnosticados com COVID-19 e autopsiados que morreram em decorr√™ncia de altera√ß√Ķes cardiovasculares causadas pelo novo coronav√≠rus havia¬†adultos e tamb√©m crian√ßas, com idade de 8 e 11 anos.

‚ÄúEles tinham pulm√Ķes razoavelmente preservados, mas desenvolveram uma insufici√™ncia card√≠aca muito intensa, que levou ao √≥bito‚ÄĚ, diz. Em alguns casos, os pesquisadores identificaram a presen√ßa do v√≠rus no m√ļsculo card√≠aco ‚Äď o mioc√°rdio. Em outros, observaram trombose na microcircula√ß√£o tanto pulmonar como card√≠aca.

‚ÄúQueremos entender as causas dessa situa√ß√£o para poder ajudar e intervir mais rapidamente no tratamento desses pacientes. Esse √© um dos prop√≥sitos do projeto‚ÄĚ, afirma Saldiva √† Ag√™ncia Fapesp.

O procedimento de aut√≥psia √© realizado com t√©cnicas minimamente invasivas, guiadas por m√©todos de imagem, por meio das quais s√£o coletadas amostras de tecidos de todos os √≥rg√£os, desenvolvido¬†no √Ęmbito de um projeto apoiado pela¬†Funda√ß√£o de Amparo √† Pesquisa do Estado de S√£o Paulo¬†(Fapesp).

Mortalidade segregada

Os pesquisadores fazem a anamnese (hist√≥rico de uma doen√ßa feito pelo m√©dico com base nas informa√ß√Ķes colhidas) dos pacientes que morreram em decorr√™ncia da COVID-19 no HC-USP no mesmo momento em que pedem a autoriza√ß√£o da fam√≠lia para realiza√ß√£o da aut√≥psia.

As respostas dos familiares indicaram que quase todos os pacientes e seus familiares tinham pleno conhecimento do risco da doen√ßa, mas n√£o tiveram condi√ß√Ķes para se manter em isolamento social, conta Saldiva.

‚ÄúOs familiares disseram que n√£o puderam cumprir o isolamento por morarem em casas com grande n√ļmero de pessoas, √†s vezes, em um √ļnico ambiente‚ÄĚ, explica. Os dados sobre a origem desses pacientes tamb√©m refor√ßam a constata√ß√£o de que o risco de morte por COVID-19 no pa√≠s √© muito maior em regi√Ķes com piores indicadores socioecon√īmicos.

Mutação

O pesquisador destacou que o adensamento urbano e a migração são os principais indutores de mutação de vírus respiratórios que a partir do século XX passaram a ser os principais causadores de pandemias.

Enquanto no s√©culo XX ocorreram duas pandemias por v√≠rus respirat√≥rios ‚Äď a gripe espanhola, entre 1918 e¬†1920, e a gripe asi√°tica, entre 1957 e 1958 ‚Äď, no s√©culo XXI t√™m sido registradas duas pandemias por d√©cada. ‚ÄúEntre¬†2002 e 2004 ocorreu a SARS¬†e, em 2009, a de pandemia de H1N1. J√° em 2012 aconteceu a de¬†MERS¬†e, entre o final de 2019 e in√≠cio de 2020,¬†a de SARS-CoV-2‚ÄĚ, comparou Saldiva.

‚ÄúTer vacina para combater essas doen√ßas √© desej√°vel, mas¬†insuficiente. Ser√° preciso ter sistemas efetivos de testagem e identifica√ß√£o de v√≠rus em todos os pa√≠ses‚ÄĚ, avalia.

Al√©m disso, ser√° preciso aumentar a coopera√ß√£o internacional, o financiamento e a realiza√ß√£o de estudos na √°rea da sa√ļde n√£o s√≥ por pesquisadores das Ci√™ncias da Vida, mas tamb√©m de Humanidades, apontou Saldiva. ‚ÄúN√£o se controla epidemias sem saber Antropologia, Hist√≥ria e Urbanismo‚ÄĚ, afirmou.