PUBLICIDADE

Estado / São Paulo

Prefeito de SP antecipa feriados municipais para aumentar isolamento social

De quarta-feira (20) até domingo (24) a cidade de São Paulo estará em feriado. A decisão foi confirmada após o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, Covas ter sancionado o projeto de lei que autoriza a antecipação de feriados municipais. “São Paulo precisa desacelerar ainda mais por um dias para diminuir novamente o ritmo de contágio e salvar vidas. Enquanto devemos nos preparar para essa tarefa gigantesca e inédita, precisamos ser criativos e usar todos os instrumentos que estão ao nosso alcance”, declara.

Nesses dias serão considerados os feriados de Corpus Christi (11 de junho) e da Consciência Negra (20 de novembro). “Teríamos aí um período de quarta, quinta, sexta, sábado e domingo onde a gente poderia atingir os índices que nós atingimos no dia de ontem, domingo, quando nós tivemos 56% de isolamento social aqui na cidade”, disse Bruno Covas, em coletiva antes da aprovação do projeto.

O projeto foi aprovado por 37 votos a favor, 14 contra e uma abstenção, durante a votação virtual realizada pelos vereadores da Câmara.

O governador João Dória também anunciou nesta segunda-feira (18) que encaminhou à Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) um projeto de lei para antecipar o feriado estadual do dia 9 de julho (Dia da Revolução Constitucionalista) para a próxima segunda-feira (25), e diz que irá recomendar para que prefeituras da Grande São Paulo antecipem feriados municipais para os dias 26 e 27 de maio.

“Nós vamos recomendar que prefeitos de outros municípios da região metropolitana, e do interior do estado de São Paulo, possam igualmente avaliar com suas câmaras municipais a antecipação de feriados municipais para os dias que sucedem a esses feriados, ou seja, dias 26 e 27 de maio, quarta e quinta-feira da próxima semana”, disse Doria.

A criação de um feriado prolongado é uma tentativa de melhorar a taxa de isolamento social do estado. Os governantes ainda estudam a decretação do lockdown, mas até o momento nada foi confirmado.

De acordo com o presidente da Alesp, Cauê Macris (PSDB), a urgência para a proposta do governo deve ser analisada na Casa nesta terça-feira (19), e a expectativa é que o projeto seja votado em sessão na quinta-feira (21).

Foto: Divulgação