PUBLICIDADE

Estado / S√£o Paulo

Butantan paralisa produção de vacinas por falta de insumos

Da Agência Brasil

O Instituto Butantan finalizou nesta sexta-feira (14) as entregas do primeiro contrato para fornecimento de vacinas contra o novo coronav√≠rus ao Programa Nacional de Imuniz√ß√Ķes (PNI). Foi disponibilizado o total de 1,1 milh√£o de doses, somando 47,2 milh√Ķes de doses da vacina CoronaVac, elaborada em parceria com o laborat√≥rio chin√™s Sinovac.

O contrato previa o fornecimento de 46 milh√Ķes de doses da vacina. Assim, o lote de hoje tamb√©m √© o in√≠cio do cumprimento do segundo contrato para a disponibiliza√ß√£o de 54 milh√Ķes de doses at√© o final de agosto.

O Butantan informou que vai paralisar a produ√ß√£o at√© a chegada de um novo lote com 10 mil litros de insumo farmac√™utico ativo (IFA), mat√©ria-prima da vacina. Segundo o governo de S√£o Paulo, o carregamento ainda n√£o foi liberado pelo governo chin√™s para ser embarcado ao Brasil. “Esses 10 mil litros correspondem a aproximadamente 18 milh√Ķes de doses da vacina, absolutamente necess√°rios para manter a frequ√™ncia do sistema vacinal, acelerar e atender os que precisam da segunda dose‚ÄĚ, disse o governador Jo√£o Doria.

Ele atribuiu o atraso na libera√ß√£o do envio do material a um ‚Äúentrave diplom√°tico‚ÄĚ causado por declara√ß√Ķes “desastrosas‚ÄĚ de autoridades do governo brasileiro em rela√ß√£o √† China e √† pr√≥pria vacina.

A entrega de insumos já sofreu outros atrasos semelhantes. Segundo o diretor do Butantan, Dimas Covas, a finalização do primeiro contrato de fornecimento ao PNI teve um atraso de 12 dias.

Atrasos no cronograma

Com a atual demora na entrega de mat√©ria-prima, a estimativa de Covas √© que s√≥ sejam disponibilizadas cinco milh√Ķes de doses de vacina em maio, quando a previs√£o inicial era de 12 milh√Ķes de doses.

O governo de S√£o Paulo avalia que as doses dispon√≠veis no momento s√£o capazes de atender todos os grupos convocados para receber a imuniza√ß√£o. No entanto, Covas lembrou que alguns munic√≠pios, seguindo recomenda√ß√£o do Minist√©rio da Sa√ļde, usaram todas as doses de CoronaVac para a primeira etapa da imuniza√ß√£o e podem ter dificuldades para aplicar a segunda dose. Problema que, de acordo com o presidente do Butantan, n√£o acontece no estado de S√£o Paulo.

Itamaraty

Em audi√™ncia p√ļblica na Comiss√£o de Rela√ß√Ķes Exteriores do Senado, no √ļltimo dia 6, o ministro das Rela√ß√Ķes Exteriores, Carlos Fran√ßa, disse que a rela√ß√£o com a China est√° entre as prioridades do governo brasileiro. “Queremos um relacionamento econ√īmico e comercial maior e mais diversificado com a China”, afirmou na ocasi√£o.

Embaixada da China

Em publica√ß√£o nas redes sociais, a embaixada chinesa no Brasil destacou a coopera√ß√£o com pa√≠ses em desenvolvimento para o acesso a vacinas e insumos. “A China √© o maior fornecedor de vacinas para pa√≠ses em desenvolvimento, oferecendo assist√™ncias vacinais a mais de 80 na√ß√Ķes em desenvolvimento e exportando o imunizante a uns 50 pa√≠ses. A China continua a honrar seu compromisso de tornar suas vacinas um bem p√ļblico global”, diz a publica√ß√£o.

Crédito da foto: Divulgação Governo do Estado de São Paulo