PUBLICIDADE

Estado / S√£o Paulo

Taxa de eficiência da CoronaVac em idosos é de 98%, diz Doria

Da Agência Brasil

O governador de S√£o Paulo, Jo√£o Doria, disse hoje (9) que a vacina chinesa CoronaVac, que est√° sendo produzida com apoio do Instituto Butantan, tem apresentado 98% de efic√°cia no combate ao novo coronav√≠rus em idosos. A vacina ainda est√° em fase de testes. No Brasil, 9 mil volunt√°rios da √°rea da Sa√ļde participam da testagem com a CoronaVac, que est√° na Fase 3 de testes em humanos.

‚ÄúOs testes demonstram que a vacina CoronaVac √© segura e tem taxa de efici√™ncia de 98% na imuniza√ß√£o de idosos. Estudos da segunda fase de testagem demonstram que pessoas com mais de 60 anos, que representam um dos grupos de risco [para o novo coronav√≠rus], receberam mais de uma dose da vacina e a resposta imune chegou a 98%‚ÄĚ, afirmou o governador.

Segundo Doria, os resultados dos testes realizados no Brasil t√™m sido extremamente positivos. ‚ÄúDesde o dia 21 de julho [quando os testes da vacina foram iniciados no Brasil], h√° quase 50 dias, n√£o temos nenhum incidente, nenhum registro de rea√ß√£o adversa significativa nestes quase 9 mil volunt√°rios. Os progn√≥sticos s√£o promissores. E em breve teremos a vacina para imunizar os brasileiros de todo o pa√≠s.‚ÄĚ

Os testes de efic√°cia da vacina no Brasil dever√£o ser conhecidos at√© 15 de outubro. “At√© o final de setembro, vacinaremos todos os 9 mil volunt√°rios. Com isso, a partir de 15 de outubro, poderemos ter a an√°lise da efic√°cia”, disse o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas. Ele informou que, at√© o momento, 4 mil volunt√°rios j√° receberam a primeira dose da vacina.

Caso os resultados sejam positivos, ja partir de dezembro deste ano, 46 milh√Ķes de doses estar√£o dispon√≠veis para o Minist√©rio da Sa√ļde para vacina√ß√£o. No entanto, cada pessoa precisar√° tomar duas doses, o que significaria que cerca de 23 milh√Ķes de brasileiros poderiam ser vacinados nesse momento.

De acordo com Dimas Covas, o Instituto Butantan poderia produzir, at√© maio do ano que vem, 100 milh√Ķes de doses da CoronaVac. Isso dependeria, no entanto, de apoio financeiro do Minist√©rio da Sa√ļde.

Vacina de Oxford

Dimas Covas comentou a suspens√£o dos testes de efic√°cia da vacina de Oxford, que teve 100 milh√Ķes de doses j√° encomendadas pelo governo federal. Esta vacina, que tamb√©m est√° na Fase 3 de testes e √© aplicada em volunt√°rios do Brasil, teve os estudos suspensos ap√≥s um dos volunt√°rios apresentar uma rea√ß√£o adversa s√©ria. ‚ÄúQuando aparece not√≠cia de um estudo cl√≠nico interrompido, isso √© comum. N√£o significa que a vacina n√£o √© boa. O efeito adverso precisa ser estudado. Tem que ver se foi a vacina que provocou o efeito adverso.‚ÄĚ

De acordo com Covas, a vacina de Oxford tem um tipo de fabricação diferente da que está sendo produzida pelo Instituto Butantan com a chinesa Sinovac. A do Butantan utiliza vírus inativados, que são cultivados em laboratórios e quebrados quimicamente. Neste caso, pedaços de vírus são colocados nas vacinas e introduzidos nas pessoas, estimulando o sistema imunológico a produzir os anticorpos.

√Č o mesmo processo usado na produ√ß√£o da vacina contra a gripe Influenza, que foi aplicada este ano no Brasil. ‚ÄúN√£o tem v√≠rus vivos nessa vacina. Ela n√£o provoca a infec√ß√£o‚ÄĚ, explicou Dimas Covas.

J√° a produ√ß√£o da vacina de Oxford √© baseada em novas tecnologias, que se utilizam de materiais gen√©ticos, prote√≠nas sint√©ticas ou vetores virais. ‚Äú[A vacina de Oxford] utiliza um adenov√≠rus para levar um peda√ßo do coronav√≠rus para dentro do organismo e provocar a infec√ß√£o. E a√≠ desencadeia a resposta imunol√≥gica. S√£o os v√≠rus do resfriado comum e n√£o causam problema maior‚ÄĚ, disse Covas.

Ele ressaltou que, para que todos os brasileiros possam ser imunizados de forma r√°pida contra o novo coronav√≠rus, √© importante que existam diferentes vacinas no pa√≠s. ‚ÄúEu, sinceramente, gostaria que as outras vacinas tamb√©m se desenvolvessem muito rapidamente. O Brasil, [com] 200 milh√Ķes de habitantes, precisar√° de muitas vacinas, uma s√≥ n√£o ser√° suficiente para imuniza√ß√£o de toda a popula√ß√£o.”

Foto: GOVESP